sábado, 31 de outubro de 2009

Um certo cavaleiro

Corri pelos vales e rasguei os céus, lutei contra dragões e dobrei feitiços astuciosos, cheios de ilusões que tinham a finalidade de me desviar do caminho que me levará até você.
Não uso armadura de prata, nem sou tão habilidoso com a espada, mas minha caneta já venceu inúmeros demônios e minha inteligência sempre me protegeu de investidas de gigantes assustadores, você corre pra algum lugar, eu corro pra alguém, você luta sem ter um motivo, eu sou revigorado quando lembro daquele sorriso que sempre me levou adiante, posso urrar de dor, mas no fim estarei sempre satisfeito, pois batalha nenhuma será perdida enquanto eu for dono do teu amor.
Minha linda, eu te peço, seja meu prêmio e minha aventura maior, ore por mim e ilumine-me com a luz das estrelas, pois estou sempre em pé, lutando e vencendo qualquer obstáculo que ameace nossa felicidade, sou eu quem te quer bem, sou eu teu rei e você é minha rainha, nosso reino é este mundo que teima em se impor contra nós, venha, dê-me a mão e juntos poderemos nos erguer e domar a loucura que tomou conta dessa vastidão de terra que ultrapassa os horizontes, nada no mundo, nem mesmo o próprio mundo, tem tamanho para se comparar ao nosso amor.

Certos vampiros

A música dizia que vampiros nunca machucarão você, mas sua maior preocupação está no seu maior desejo, a pessoa que se mostra justa e gentil perante seus olhos, não é nada além de um monstro com intenções maliciosas, você se torna um rélis instrumento de diversão e de dedicação falsa, o alimento do ego dessa alma vã, que totalmente sã, faz você em retalhos com simples atos não pensados.
Os perigos estão sempre escondidos nos sentimentos, totalmente alheios à nossa vista. Eis que num lampejo de lucidez, entre um acorde e outro daquele solo de guitarra, eu posso ver com clareza a comédia irônica que é essa brincadeira de orgulho, então eu te agradeço pelo veneno e te digo que nunca fui um poeta, que nunca me fará ter orgulho daquilo que fui, ou sou.
Vá garota, enxugue suas lágrimas e se dê conta do meu poder, o vampiro aqui sempre foi você, estou exausto de lutar por um sorriso teu e de agradar o que nunca será agradado sem um espelho, vá e lamente-se, pois quem dá as cartas do jogo agora sou eu, você nunca me deixou viver de acordo com minhas crenças, então eu as matei e me tornei um transeunt que passeia pelos seus sentimentos, esta é minha vez de, com uma mordida, sugar toda a sua felicidade.

Um jogo

Eu nunca disse que te amaria pra sempre, nunca te dei esperanças pra sorrir contando com um amanhã que nunca chegou. Suprimos as necessidades um do outro, não deveria ser assim, mas tua personalidade fechada e sarcástica nos trouxe à esse precipicio, estamos a dois passos de um vôo livre, ou de uma queda triste.
No fim do mundo você me da um beijo e diz que seu maior desejo é estar comigo, mas de que valem palavras tão doces sem nenhuma testemunha? Eu poderia te amar mesmo depois de tanto me doar e ser repreendido? Eu poderia te dar uma segunda chance sem medo de que nós cometamos os mesmos erros? São dúvidas de um coração que aprendeu com inúmeros outros, a ser frio e fechado.
Nós estamos juntos, mas não existe confiança, podemos tentar até conseguir, mas o que será que eu conseguirei estando parado aqui? O sempre nunca dura mais do que o suficiente pra causar cicatrizes na alma, eu aprendi que o tempo quando não é domado, se torna nosso maior flagelo, então não me venha com sorrisos falsos, pois eu odeio pessoas que mentem pra si mesmas, será que toda essa sua dor é sincera? Ou seria isso só mais uma cena bem trabalhada de uma fingida que adora controlar seu brinquedo? Que pena que já não estou disposto a ser tua diversão, ajoelhe-se e peça perdão, espere em meu olhar a compaixão brotar, enquanto minhas mãos não denotam nenhuma emoção, eu sou assim agora, será essa a sua derrota, ou a minha?

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Rumo

Então estou aqui, de pé, pensando no que escrever pra te enxer de fé na minha capacidade de te alegrar todos os dias daqui pra frente, as palavras fogem e o sono pesa cada vez mais sobre meus ombros fatigados de tanto carregar o peso dos erros passados.
Não sei o que me faz olhar pra frente sem dar importância ao que houve lá atrás, é tudo tão sem sentido, mas mesmo assim sinto a paz. A calma. Aos poucos vou entendendo que minha vontade mesmo é de não só repetir o que já foi dito, mas também dizer o que sempre quis dizer, me pego sonhando acordado com teu sorriso despertando ao meu lado na cama e sua voz rouca me desejando bom dia, sonho tanto que quase posso sentir teu toque, ouvir tua voz, sentir teu cheiro, teu calor, a maciez da tua pele em contato com a minha, é uma paixão sem igual, a esperança queimando no peito, os dias gerando uma nova vontade de gargalhar, cantar, abraçar e até mesmo sofrer por esse amor que me parece tão maluco, mas que carrega em si a razão da nossa existência.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Devaneios de uma certa madrugada

Às vezes eu penso que quero te dar flores ao invés de palavras, abraços ao invés de sonhos, beijos que possam substituir minhas piadas e meus comentários sem cabimento algum dentro dessa vontade que eu tenho de gritar pra todo mundo que te amo.
Os dias passam cada vez mais sem graça e eu me sinto cada vez menos amparado quando penso estar mais distante de você, a noite é longa e fria, mas eu não desanimo, não mesmo. Essa é a última vez que me desperdiço sozinho esperando que você diga que me ama, a última vez que meus olhos se perdem no vazio do quarto, enquanto meus ouvidos anseiam pelo barulho do telefone anunciando a tua ligação. Eu prometi o mundo, menos o meu amor, mas hoje te prometo meu amor, deixa ele te dar o mundo, deixa ele te dar aquilo que ele puder dar, afinal, o esforço é o que vale, eu só espero que você saiba disso.
Poderia ser tudo pra você, mas sou pouco mais que nada, apenas palavras que confortam e dúvidas que provavelmente te corroem, eu só queria saber o por que eu sei tudo isso e, ainda assim, continuo me fazendo de rogado e acreditando que você quer tanto quanto eu ser feliz dessa maneira, então como uma criança que sonha com o presente de natal, eu sonho teu sorriso enlaçado em meu abraço, enquanto nós nos perdemos na vasta cultura da livraria, imagino teus olhos me encarando enquanto tomamos capuccino no shopping, ou até mesmo teus braços segurando os meus, pedindo proteção do frio que reina dentro do cinema, tudo que eu quero é a simplicidade como maior tesouro da nossa felicidade, eu só peço que a alegria pouse sobre nossos dias e nos faça finalmente poder dizer, não via palavras lidas, mas palavras ouvidas, o famoso:
EU TE AMO!

Festa no Meia Luz

O Meia Luz era um bar com ares fascinantes, tinha poeta, cantor, violão, fumaça de cigarro e vários paletós baratos que a gente acha um barato, compra e depois se arrepende. Íamos para desaparecer entre as palavras que, soltas pelo ar, nos guiavam noite a dentro com maestria, dançavamos então a valsa da boêmia ao som dos heróis anônimos mais famosos da crise dos paradigmas, por fim, nos perdiamos num sentimento imenso de puro companheirismo. Estávamos entre comuns.
As horas passavam como se não fizessem parte do tempo dentro daquelas quatro paredes, mas lá fora o relógio teimava em nos lembrar que as frações de tempo não só existem, mas também tem a finalidade de alertar que somos escravos dos ponteiros, mesmo assim era uma noite de alforria, sorrisos sinceros, olhares brilhantes e beijos ardentes, tontos pelo pecado, mas nascemos pra pecar.
Logo perdemos o rumo das horas, éramos deuses em um bar perdendo os poderes à medida que as vozes iam ficando roucas e a música já não era tão afinada, mas o fim da farra era sempre o melhor da festa, cabelos despenteados e rumos desconhecidos, desorientados mas totalmente renovados, mortais prontos para um novo dia, uma nova batalha.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

O espetáculo

É um tipo de sonho, as luzes se acendem e o show chega ao fim para quem está na platéia, mas pra nós dois, este é o começo do nosso espetáculo particular.
As ondas do ar se chocam contra nossos rostos e você sorri só porque meu cabelo é estranho, eu olho nos teus olhos e nosso silêncio denuncia o desejo, logo, sem demorar mais do que o tempo que meus pulmões levam pra expelir o ar, nossas bocas se enlaçam enquanto nós nos permitimos os beijos mais invejados, recebemos aplausos dos céus e a chuva chora emocionada com a interpretação mais perfeita do amor, encenada por mim e por você. Como eu poderia não escrever, mesmo que atrapalhado, sobre esse amor que nos leva por cada canto do mundo sem que nossos corpos se movam um mínimo centímetro enquanto nos abraçamos como se fosse a última vez? Adoraria ter você sempre sorrindo ao meu lado, reclamando que não aguenta mais se esforçar e dançando de olhos fechados ao som daquelas canções que eu tanto implico, não como não dizer no fim que te amo, pois nosso teatro só da certo pelo simples fato de nós sermos a platéia um do outro.
Portanto, aqui, bem aqui mesmo! Onde os sonhos ganham vida, eu quero te falar que nada fará um dia eu te perder, já que teus sonhos, charme, tua sensualidade e pureza estão guardados por trás dos meus motivos mais simples que uso pra justificar meu sorriso de moleque e minhas piadas divertidas.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Finalmente louco!

As mudanças ocorrem em sincronia com as decepções e amarguras, nunca se é feliz por completo, assim como também não somos totalmente tristes.
Me deixa faltar aula, me deixa sorrir à toa, deixa eu contar as histórias que li pra pessoas que não conheço, hoje quero ser Dom Quixote sem um fiel escudeiro, quero ser Romeu sem Julieta, hoje a solidão é minha parceira.
A noite é longa quando seguimos regras, mas hoje o jogo é diferente, amor é consequência, decepção é suposição, tudo que existe é apenas minha hiperatividade, felicidade, um copo, uma garrafa de tequila e toda minha eloquência e incoerência que se transcrevem para o papel tentando refletir as mudanças de um romântico decepcionado.
Noite quente e uma manhã incerta, janela aberta e um céu sereno, a paz entra pela janela e me perturba a vontade de querer me perder no calor do corpo, deixa o pecado me invadir, deixa eu cantar alto e sair da linha, ora certo, ora errado, jamais culpado, apenas um bom vivant.
E aqueles sonhos que voaram do varal do quintal? Simplesmente os substitui por sonhos mais impossiveis ainda, que venham os amores e tragam as dores e decepções em seus punhos apaixonantes, estarei aqui como sempre estive, mas em guarda diferente e com reflexos mais apurados, vamos arriscar e ver que fim teremos quando eu me deitar para o sono profundo que me aguarda em tempo certo.

domingo, 18 de outubro de 2009

Essa noite

Essa noite tem um ar nostalgico, lembra todas as memórias não vividas ao teu lado, de repente me vejo cercado pela magia do teu abraço e daquele beijo nunca dado.
Acaricio as cordas do violão e me perco nos acordes desorientados de um simples apaixonado, então me pego pensando em nós dois, tudo será melhor se não houver medo? Nossas imperfeições nos trarão a perfeição? São respostas que só serão concebidas se eu te fizer acreditar no meu amor.
Segura minha mão e me deixa te levar até o céu, deixa eu sentir tua cabeça sobre meu peito repousando e sonhando dias de glória e graça, repletos de beijos, abraços e juras de amor, tudo que eu quero é te fazer entender que nossas vidas estão cruzadas e nossas mãos entrelaçadas alguns passos adiante, o que nos resta é deixar de fingir que não há paixão em nossos olhos e falar que o coração tem carta branca pra agir, esperei tempo demais pra te falar isso, mas hoje, amanhã e sempre, quero que saiba que eu te amo e que nossos dias serão lindos pois teremos um ao outro.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Laura

Ouvi certa vez alguém falar que tudo passa, mas pela experiência, sei que não passa por completo.
Hoje me peguei sentado na mesma escada em que perdia horas sorrindo e fazendo piadas só pra te roubar um sorriso, lembro que teu abraço era apertado e se encaixava no meu, fingiamos que o mundo era mundo e que não havia amor, mas por ironia do destino, meu amor sempre esteve em teus olhos, refletidos nessa personalidade forte e por mais que pareça utopia, foi apenas desleixo, mas eu juro, sempre foi verdade.
Nossa história não é um conto de fadas, nem chega perto de ser fábula, mas nossas fantasias são tão reais que ainda posso dizer que nada no mundo me faz chegar perto das estrelas quanto ouvir tua voz falando que me ama, não sei ao certo o que me fez fugir de ti, mas a verdade é que você está em mim e onde quer que eu vá, você irá também, o motivo por trás do meu sorriso, o brilho contido em meus olhos, a inspiração de cada poema, de cada texto, a essência de cada uma dessas palavras. Todos querem saber quem é você, pois eu digo! Seu nome é Laura, personagem de livro, o meu livro, lido página por página, todos entenderão que não se trata só de uma capa, mas de uma história, um romance, confuso e complexo, mas de destino certo, então que fique claro que meu amor reina por ti e que por mais que o esconda por trás de fugas sem razão, o que importa mesmo é que aqui dentro é tudo teu, do meu humor ao meu carinho, tudo isso não é nada se eu estiver sozinho, é tudo teu, apenas teu, guardado em uma caixa com um nome gravado: Laura.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

It usually be a dream

Deixa passar na avenida o samba da gente, deixa reinar no boteco o som da alegria, Martinho é o poeta que canta as artimanhas da minha vida.
Eu estou aqui mais um vez, cheio de dúvidas, ânsias e revoltas, mas não tente me responder nem pregar sua fé, eu preciso de motivos concretos pra acreditar que te amar me faria ser mais feliz do que já sou, fui, ou serei um dia.
Minha conivência com a auto piedade se perdeu caçando motivos rasos pra achar no profundo dos teus olhos a beleza que você nunca teve ou terá, então ao som de um bom samba malandro, meu sorriso bôemio fez-se aberto, debochando das suas lágrimas secas, que não rolavam por um "sei lá" que motivo, mas que se escondiam por trás daquele semblante belo e acuado.
Você é tudo que eu quero e que não deveria querer, isso faz de mim um coitado, vítima do sarcasmo das encruzilhadas que cruzaram teu olhar com o meu, mas já não tenho mais paciência pra conquistar ou ser conquistado, seria tão mais fácil que fosse coisa de pele, chegar e te pegar pela cintura, provar do teu beijo e despertar na tua nuca a fonte dos nossos desejos, mas a verdade é que eu nos afastei de um destino sem destino, de um rumo sem futuro, por mais que queira acreditar que sou homem o suficiente de não te querer, me pego te querendo mais e mais a cada simples olhar, então mais do que nunca hoje desejo ser cego, ser mudo e analfabeto, assim não poderia escrever os segredos desses sentimentos confusos que ecoam em mim.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Mulher

Mulher não é só penteado nem rebolado, tem que ser muito idiota e estúpido pra reduzir a grandeza da feminilidade em um simples corpo.
Mulher de verdade leva atrás do sorriso a femme fatale, carrega nos olhos a sedução perspicaz que acaba sendo o cais de um homem, mulher não é aleatória, é precisa em suas investidas silenciosas e ainda precisa de muito mais que abraços e beijos.
Mulher é o sexo frágil que simboliza a fragilidade desumana do homem, nós que nos ostentamos pela força e opulência, mas no fundo da essência, somos dependentes de vocês mulheres, meus olhos vorazes devoram cada passo e cada lábio feminino, minhas palavras traduzem a satisfação e admiração por você mulher e se você ainda pensa em curvas quando lembra de mulher, entenda, a mulher completa traz em si muito mais do que vaidade, ela detém uma inteligência e carrega o sarcasmo e ironia que uma mulher precisa ter para ser não a vítima, mas a caçadora que veste a pele da vítima.
Meus suspiros se vão a cada palavra que é prescrita nesse texto, pois minha contentação com a palavra mulher vai muito mais além das ancas e dos seios, ela começa pela mãe, passa pela irmã, amiga, prima e termina na companheira fiel às nossas emoções, então que fique claro que sou eterno apaixonado pela mulher, a real graça (e em certos casos desgraça) da beleza do mundo.