segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Nunca tão alto

Estou deixando a cidade e as marcas dos dedos impressas sobre as bordas dos porta-retratos que estavam sobre a mesa, agora sou regido pelo código da solidão, noite após noite eu vejo em dobro o que você só viu uma vez.
Enquanto você espera parado pela sua alma gêmea, eu vou ganhando terreno e aproveitando tempo, as feridas são tantas que não sinto mais dor. Ninguém faz a mínima ideia do lugar singelo pro qual parti, vou andando e ao invés de chorar eu me apaixono mais, abençoado pela lua, eu chuto o apoio da barraca e vou cantando canções de alguém que já não se importa com os modelos corretos e, como na canção, eu digo que meus herois morreram de overdose.
Se hoje sou um mito moderno, isso não importa mais, eu passei a minha vida toda desejando pela metade, mas agora é hora de achar aquilo que perdi há algum tempo.
Dizer adeus, assim como respirar, nunca foi algo que deu certo na minha vida, mas agora posso correr sem me cansar, posso me despedir sem chorar e finalmente posso acreditar na beleza de um olhar.
A esperança nunca foi meu forte, mas hoje a mesma se encontra mais forte queimando em mim, indiferente sobre o mundo dos sonhos, eu quebro todas as promessas e vendo minhas mentiras para comprar uma verdade, este sou eu daqui pra frente, estendendo novamente sonhos sobre o varal, esperando eles secarem enquanto procuro pelos pedaços da minha essência.

Diga!

Nós podemos sonhar alto, conquistar o céu, quebrar o desespero e cantar ao mundo o som da vitória à meia noite de uma nova vida.
O sol nasce e as nuvens correm empurradas pelo vento, que traz a lembrança do teu abraço e do teu beijo, então eu corro junto com as luzes, afoito, eufórico, afobado, eu venci o medo com a lança da minha determinação. Dirigido pela insanidade e denominado de idiota, eu cheguei onde mortal nenhum jamais chegou, posso sorrir quando tento chorar e choro de emoção enquanto estou sorrindo, a dor é menos aguda quando eu penso em você, me diga o que você ama, me diga no que acredita, me diga o que vê, eu quero saber qual sua fantasia e, como uma máquina, automaticamente imaginar, criar, sentir ela em mim.
Me diga no que acreditar, me diga o que desejar de você e só então poderemos fazer desta noite um pedaço de tempo que o próprio tempo nos cede de bom grado, recomeçar talvez, ou, quem sabe, finalmente começar isso de vez, não tenha medo de se aventurar por um terreno desconhecido, minha alma é inquieta, mas meus braços vão sempre te manter segura enquanto você me conhece mais a fundo.
Eu hoje estou pensando na mudança, não quero advinhar teu próximo passo, mas penso sobre nós dois, então hoje vou fazer o bem pra esquecer o mal da noite passada, o silêncio me faz acreditar que você vai gritar bem alto pra eu ouvir: "É contigo que quero ficar", até lá eu continuo a vagar, sem ligar pros meus ferimentos que sangram a todo momento, este é quem eu escolhi ser, de gênio forte e personalidade dura, serei a rocha que servirá de apoio para a construção do teu reino, e como numa mágica de conto de fadas, faremos com que o mundo acredite que amar é para todos.

Estrada

Está feito! Agora estou seguindo por um caminho longo e desconhecido, talvez o problema nunca tenha sido comigo, mas com você. Eu definitivamente não esperei nada além do teu jeito complicada de ser, mas enquanto isso, você procurava em mim o tijolo dos seus sonhos, então as promessas se quebraram quando você descobriu que somos o céu e o inferno.
E eu que voava alto como o condor, cai do céu ouvindo um coro de anjos dentro da minha cabeça e, por incrível que pareça, o momento de maior beleza desse vôo foi o instante da queda. Eu confesso que estou quebrado em mil pedaços, mas tenho meus objetivos, farei com que o mundo ouça minha respiração ofegante que ganha mais ritmo ao passo que sigo na estrada com os pés no chão, quem sabe haja uma torcida, uma platéia, um público qualquer que vibre pra eu encontrar uma saída.
Dei meu primeiro passo debaixo de um sol que nascia e sorria pra mim, agora estou longe de você, dos nossos sonhos e das nossas promessas e a estrada me faz encontrar as respostas mais singelas para os nossos problemas, faixa após faixa eu vou descobrindo mais de mim e mais de você.
Agora entendo que você talvez nunca se apaixone por mim como deseja se apaixonar, mas espero que um dia você saiba me aceitar com meus defeitos e minhas qualidades, através da noite o desespero vai ruindo e eu queria que pudesse me ver assim, com as mãos firmes e o olhar sóbrio, pois assim eu posso te desejar sorte e dizer: - "Amo você, até mais ver."

domingo, 13 de dezembro de 2009

Renascer

Aqui estou eu mais uma vez, dessa vez não pra fingir, encantar ou ludibriar ninguém, estou aqui desta vez pra desabafar, é, falar de Deus, esse Deus que por tantas vezes duvidei.
Não sei ao certo como começar, mas sei que dessa vez tudo é diferente, o pensar, o falar e o agir, estamos todos aqui presentes, mas poucos entendem o presente que Deus nos deu, só por hoje deixemos de lado a procura pelo par perfeito, deixemo de lado a ideia que a mídia vende de amores platônicos que causem inveja no resto da família, amar não é competir, amar é partilhar e, para se amar, você precisa começar a praticar em casa, falar de Deus ao invés de pensar no mal, achar a beleza da vida, ao invés de chorar em cima das tristezas do homem, somos fortes, fomos criados à imagem do pai, porque não faz juz e começar a demonstrar trabalho?
Eu desconheço o que seja isso, mas sei que minha pele arde um pouco, eu sinto que não estou só, Deus está comigo, ele ouviu minhas preces e está aqui entre nós, nestas palavras, nesta página da internet, na minha alma, a cada agradecimento que faço ele está lá ouvindo, a cada perdão que suplico ele se faz pronto para discutir comigo e, sem falar nada, apenas com o silêncio da sala, eu descubro os segredos da minha alma, pois a minha alma apenas anda fraca, fraca por eu ter passeado longe de Deus, mas agora estou aqui, falando, rindo e escrevendo, morto de sono, mas acreditando e nossa! Depois de muito tempo, posso acreditar que o amor está em mim, mas o amor que Deus me deu, que Deus soprou em mim.
Obrigado a todos que lerem, compartilhem seus momentos divinos também, grato!

Verônica

"V" de voar, voar alto, achar o lugar onde o sol se esconde e lá, poder repousar junto ao calor mais confortável que já existiu, dormir ao lado de deuses e deusas, compartilhar de sua ceia, beber do seu vinho e, no fim de tudo, passear pelo infinito desse universo que é teu olhar.
Eu olhei para os lados e senti que pela primeira vez a felicidade pode estar perto. Após viajar pelo inferno e pelo paraíso, cheguei aonde me sinto completo, aqui onde teus braços são uma vastidão de amor, aqui onde minha dor não tem forças para lutar, aqui, bem aqui onde meus lábios falam em alto e bom tom: "Verônica".
Recomeçar é a palavra, hoje não me pergunto mais o que aconteceria se eu me jogasse de encontro ao solo, apenas sorrio, admiro e agradeço pelo que temos aqui, embora minhas pernas ainda tenham o péssimo costume de cambalear, eu sei que no teu sorriso posso me equilibrar e nas tuas mãos achar o apoio certo que me trará de volta aquela paz que perdi há tempos.
Óasis e desertos, geleiras e invernos infernais que me fizeram cair e perder a minha fé, mas que você conseguiu resgatar de volta aqui dentro de mim, já não grito mais, pois o som da tua voz ecoa em mim como uma canção ímpar, que traz à tona a paz de quem há tanto, não dormia mais.
Na tua face eu descubro o que fazer se, de repente, eu cair no chão, vem! Siga comigo compartilhando os segredos e desejos, ache em mim aquilo que você sempre procurou, em você eu adquiri a capacidade de fazer as pessoas felizes e esse é realmente quem sou.
Ímpios pecados arrebatados para os confins do passado, eu sinto nossa história começar e sinto muito mais do que empolgação, eu sinto amor de verdade, vem, vamos quebrar o tempo e fazer dos nossos momentos história pra ser contada em livros e ser lembrada pelo resto da eternidade.
Consegui enfim entrar em sintonia com os arcodes e a letra daquela música que jamais entendi, graças a você as paredes dessa casa já não se estreitam contra meu corpo e nem me fazem correr de algo que está em mim.
Aqui! Bem aqui eu te declaro minha paixão e te peço que o ontem seja enterrado atrás da montanha do hoje que, aliás, tem sido vivido com prazer. Aos poucos eu descubro centímetro por centímetro da minha alma que se esconde por trás de sorrisos e lágrimas, vem amor, essa é a hora de gritar para o oceano e o horizonte que, desde ontem somos felizes ao extremo.

Minha última serenata

Eu não tenho a chance de me despedir pessoalmente, mas queria te cantar esta última serenata e dizer que nossos sonhos explodiram pelo nosso paraíso como granadas em um campo de batalha.
Agora, enquanto você ri na cama com seu novo namorado, eu escrevo sobre o quanto não sou o mesmo, bebo nossas juras de amor num copo de tequilla e as vomito, ao passo que assisto a ignorância se tornar sua mais nova melhor amiga.
Nunca foi uma questão de tempo, mas de caráter, nossa aventura estava tão perto de chegar tão longe, mas no auge da excitação, você julgou a pior sentença de todas e me derrubou de um vôo alto. Querida, você tem noção das feridas que me causou? Não é bom estar aqui cantando pra você agora, mas adivinhe? Estou aqui apenas dando um show pra comemorar a sua amizade com a ignorância, não há caminho que te faça se tornar a princesa dessa história, você é sempre a mesma, pode rodopiar e falar o quanto mudou, mas suas palavras se contradizem quando você mostra sua verdadeira face.
Engasgue-se com seu próprio veneno e sofra o dobro da minha dor, quem sabe assim você entenda que nesse jogo de reis e rainhas o amor não é uma competição, mas sim cooperação.

O Sol

Alguma coisa sobre você me domina dos pés a cabeça, deve ser algo relacionado com o brilho da tua alma, ou até mesmo, com o calor da tua pele.
Às vezes tenho a impressão de que nossos olhares se cruzarão pelo resto da eternidade, embalados pelo som de músicas que nos façam mais fortes e, antes que me pergunte, eu respondo que não sei o que, exatamente, existe em você que me faz ajoelhar e orar por você noite e dia, desconheço também o que mantém esse teu calor tão perto da minha face, mesmo com o tempo passando e a distância aumentando entre nossos braços que, antes se entrelaçavam nas manhãs das Quartas de Agosto.
Eu tenho andado por outros caminhos, sempre procurando sentir algo próximo do que você me fez e, faz sentir, mas nada me empolga mais que o som da tua voz orgulhosa no telefone, nada me fortifica mais que aquelas nossas palavras de amor trocadas na esperança de que um dia, estariamos juntos sob o mesmo teto, compartilhando sucessos e fracassos, sonhos e desgostos, mas sempre felizes, pelo simples fato de sermos privilegiados com a bênção de estar com quem se ama.
Sim! Eu estou perdido, confesso. Tenho rumos incertos e nem me interesso mais em erguer a cabeça pra tentar descobrir o que virá pela frente, hoje é só mais um dia de orações que pedem que o sol nasça uma vez mais na minha vida.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Saudade de quem nunca existiu

Enquanto tomo mais um porre, olho pra tua foto e percebo que ainda sinto saudades de alguém que nunca existiu pra mim.
Eu queria te chamar de "meu herói", cantar pra você "Pai", me vestir como você, queria poder ter aprendido a dirigir contigo, te chamar de velho, te chamar de amigo, te contar da minha primeira transa, mas quando me encho de esperança, olho pro lado e não te vejo lá.
Eu tentei te substituir por outros, arrumei conselhos de loucos e vi loucos que não tinham nada pra ofertar, talvez todos estejam certos em falar que você está errado, mas ninguém carrega a mesma denominação de pai como você, mesmo você nunca ter dado o devido valor à palavra.
Se a lágrima de um herói rola, é sinal que ele não é mais herói, mas quer saber? Isso me faz feliz, afinal, eu nunca pedi pra ser um herói sem um herói. Mas pai, teus erros fizeram meus acertos, as trevas do teu caminho foram a luz do meu, se hoje sou o que sou, devo à observação do teu fracasso como pai, queria poder te pedir pra ser mais que um amigo, mas nem ao menos somos isso, então eu só espero que meus sonhos nunca voem pra tão longe, pois eu não quero ser como você, que não foi herói, apenas bandido, mas mesmo assim, ainda me fez te amar.
Pai, eu talvez não seja tão afinado, mas eu quero cantar um trecho da música pra poder te mostrar o quanto eu preciso de ti: "Pai! Pode ser que daqui a algum tempo, Haja tempo prá gente ser mais, Muito mais que dois grandes amigos Pai e filho talvez..."

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O que mais dói

O que mais me machuca é estar tão perto de você, com tantas coisas pra dizer e não poder falar nada, simplesmente pelo frio que existe em teu olhar.
Eu caminho pelas vias, dobro esquinas e me sinto desmoronando em ruínas, e embora seja díficil, eu preciso adimitir que já não tenho você em todos aqueles lugares que imaginei, talvez só aqui dentro de mim, mas por quanto tempo mais?
Eu acompanho cada gota de chuva escorrer pelo vidro da janela, ao passo que as lágrimas descem pelo meu rosto, trilhando um caminho de fogo, que arde na alma e desperta a dor adormecida no profundo vale que é meu interior.
Eu continuo forçando aquele sorriso quando encontro nossos velhos amigos, tem sido cruel passar o tempo boiando à deriva, em busca de algum apoio que me salve desse mar de angústias.
Então acabo olhando pra trás e buscando algo que me faça entender o que nos fez terminar assim, olhando para os nossos sonhos, que longe, seguem viagem para longe de nós dois.
O que mais machuca é te ver assim, perto de mim, sem saber o que fazer dessa vez, eu te vejo tão linda, cada vez mais e mais linda, mas o que fazer se você age como se nunca houvessemos trocados abraços em um sofá durante a tarde, é díficil ter tanto a diz e te ver caminhando embora, na verdade, é insuportável.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

E VIVA!

E viva a vida!
E viva o momento!
E viva a esperança!
E viva o sentimento!
E viva as perdas, pois me deram vitórias, viva o acaso, que rendeu boas memórias!
VIVA!
E viva a dor!
E viva a ânsia!
E viva nas ancas da mulher que ama!
E viva, por aí perdendo tempo, pois o tempo que se perde é o que ganha este jogo!
E viva alegre!
E viva uma tristeza algum dia, mas atenção, tristeza só por um dia!
E viva a melancolia que te inspira!
E viva a força que te tira da depressão!
E viva a volta por cima!
E viva a sorrir, viva a espalhar o dom da alegria, viva durante o dia, durante a tarde e a noite, mas VIVA!
E viva me vendo esperar o dia em que nossas vidas serão vividas como uma só, onde nossas mãos entrelaçadas irão erradiar vida e compartilhar alegria, pois meu amor, a vida só tem graça de ser vivida se for na tua companhia.

domingo, 22 de novembro de 2009

Dedicado

Música mágica que estende meus sonhos no varal e me põe pra dormir ao relento, deitado sobre lembranças e expectativas.
Sou um elo que une o passado ao futuro, isso faz de mim o presente? Ou apenas uma falta? O refrão repetia com clareza a dor de quem foi traído e eu, bobo que sou, cantava entusiasmado me sentindo dentro daquela música e, ao passo que minha vontade de chorar aumentava, eu ria e gargalhava, me sentia rídiculo, um ator em um mónologo chato, parado no meio do palco num espétaculo para uma pláteia de mentira, eis então que minha mente se abriu e do nada surgiu a luz da tua vida, a dádiva divina que me fez pular como um saltimbanco, um pierrot apaixonado, de repente um estômago lotado de borboletas e um palhaço tão leve que flutuava no ar, feliz pelo carnaval que veio na hora certa e aboliu a tristeza desenfreada do meu coração.
Paixão é o alimento da minha força, ela complementa minha fé e me faz acreditar que existe sim algo a mais entre o céu e a terra, fortalecendo assim, a minha alma.
Beije-me minha garota, se encontre em meus braços diga que este é um pedaço do quebra cabeça da felicidade, diga em tom baixo o quanto sente saudade e o quanto me ama e dê-me a sua mão ao fim de tudo, pois o mundo é pequeno para nossos pares de asas, o nunca nunca há de nos atrapalhar, pois nosso amor é, e sempre será, este combustível que transforma lágrimas em sorriso.
A ti sou dedicado, por ti juro que as geleiras hão de cair, por ti luto e venço, por ti, apenas por ti.
:)

Desabafo da meia idade da idade de 20

Esta é uma dança de despedida, a última dança do dia, do mês, do ano, do século, da história, da nossa história e, ainda que insista, não a dançarei mais uma vez. Eu sempre quis saber que gosto tem a liberdade verdadeira, sempre quis saber como é ouvir um segredo e também como seria a sensação de tornar santos em pecadores.
Meus olhos de águia não foram capazes de ver, nem minha pele, em tons de neve pura, capaz de sentir. Sou isso que vês e um pouco menos do que esperas pra si, ciúmes que escorrem pelo meu rosto, navegando nas lágrimas de um idiota que brilha apenas no espelho, sou a empolgação de um beijo trocado de forma atrapalhada pelo nervoso das nossas mentes complicadas e sonhadoras, sou esse eterno "fora de controle", sou um nunca que sempre está atrasado, ou, adiantado demais, ouço sempre o ponteiro reclamar entre um "tic" e outro "tac" da minha incostância, mas nada que nos torne inimigos, pois dentro do silêncio que a solidão faz de canção, ele encontra seu espaço pra ter um companheiro, e eu idem.
Meus sonos não são mais visitados por sonhos, pois sonho demais de olhos abertos e, se por uma vez você pudesse encontrar isso por trás dos meus olhos, entenderia que eu sou alguém que está acima dos seus tabus e crenças, eu nunca perdi minha fé, mas ela se perdeu de mim, só pelo fato de eu ter me afogado em pecados durante minha longa caminhada solitária, apenas o tempo é testemunha da minha dor, apenas ele aplaude meu heroismo enquanto eu suporto dores lancinantes pela manhã, tarde e noite, isso tudo me mata de uma forma cruel, pois continuo em pé com um par de olhos castanhos brilhando no meio da multidão, sou fadado a carregar este fardo, o fardo de uma beleza que eu nunca escolhi ter, não pedi olhos que disfarçassem minhas neuras, queria apenas olhos que pudessem traduzir meus sentimentos, quem sabe assim talvez, você se apaixonaria por mim e diria as coisas que eu preciso ouvir, afinal, até mesmo nós, tolos que brilham no escuro, precisam de juras platônicas de amor.
Eu nunca...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Outono

São dias que se encerram com uma salva de palmas da platéia, eu nunca deixei isso ir, mas hoje eu abro os braços e sinto as asas brotarem ansiosas para ganharem um céu e, aos poucos, vou perdendo essa tristeza carente de amor.
Sua fúria é tão rídicula quando contornada pelo azul do céu, esse cinza no teu olhar não entra em contraste com o dourado do por do sol, feche os olhos e respire, dê-me a mão e vamos juntos achar o sentimento que quer achar a gente.
Eu sou um dançarino sambando na gafieira esperando por você, sou malandro, sou boêmio, sou sereno, madrugada e manhã, abrace-me no fim e no começo do dia, o outono está aqui, entre meus braços e meus suspiros desajeitados que insitem em sair por ti.

sábado, 31 de outubro de 2009

Um certo cavaleiro

Corri pelos vales e rasguei os céus, lutei contra dragões e dobrei feitiços astuciosos, cheios de ilusões que tinham a finalidade de me desviar do caminho que me levará até você.
Não uso armadura de prata, nem sou tão habilidoso com a espada, mas minha caneta já venceu inúmeros demônios e minha inteligência sempre me protegeu de investidas de gigantes assustadores, você corre pra algum lugar, eu corro pra alguém, você luta sem ter um motivo, eu sou revigorado quando lembro daquele sorriso que sempre me levou adiante, posso urrar de dor, mas no fim estarei sempre satisfeito, pois batalha nenhuma será perdida enquanto eu for dono do teu amor.
Minha linda, eu te peço, seja meu prêmio e minha aventura maior, ore por mim e ilumine-me com a luz das estrelas, pois estou sempre em pé, lutando e vencendo qualquer obstáculo que ameace nossa felicidade, sou eu quem te quer bem, sou eu teu rei e você é minha rainha, nosso reino é este mundo que teima em se impor contra nós, venha, dê-me a mão e juntos poderemos nos erguer e domar a loucura que tomou conta dessa vastidão de terra que ultrapassa os horizontes, nada no mundo, nem mesmo o próprio mundo, tem tamanho para se comparar ao nosso amor.

Certos vampiros

A música dizia que vampiros nunca machucarão você, mas sua maior preocupação está no seu maior desejo, a pessoa que se mostra justa e gentil perante seus olhos, não é nada além de um monstro com intenções maliciosas, você se torna um rélis instrumento de diversão e de dedicação falsa, o alimento do ego dessa alma vã, que totalmente sã, faz você em retalhos com simples atos não pensados.
Os perigos estão sempre escondidos nos sentimentos, totalmente alheios à nossa vista. Eis que num lampejo de lucidez, entre um acorde e outro daquele solo de guitarra, eu posso ver com clareza a comédia irônica que é essa brincadeira de orgulho, então eu te agradeço pelo veneno e te digo que nunca fui um poeta, que nunca me fará ter orgulho daquilo que fui, ou sou.
Vá garota, enxugue suas lágrimas e se dê conta do meu poder, o vampiro aqui sempre foi você, estou exausto de lutar por um sorriso teu e de agradar o que nunca será agradado sem um espelho, vá e lamente-se, pois quem dá as cartas do jogo agora sou eu, você nunca me deixou viver de acordo com minhas crenças, então eu as matei e me tornei um transeunt que passeia pelos seus sentimentos, esta é minha vez de, com uma mordida, sugar toda a sua felicidade.

Um jogo

Eu nunca disse que te amaria pra sempre, nunca te dei esperanças pra sorrir contando com um amanhã que nunca chegou. Suprimos as necessidades um do outro, não deveria ser assim, mas tua personalidade fechada e sarcástica nos trouxe à esse precipicio, estamos a dois passos de um vôo livre, ou de uma queda triste.
No fim do mundo você me da um beijo e diz que seu maior desejo é estar comigo, mas de que valem palavras tão doces sem nenhuma testemunha? Eu poderia te amar mesmo depois de tanto me doar e ser repreendido? Eu poderia te dar uma segunda chance sem medo de que nós cometamos os mesmos erros? São dúvidas de um coração que aprendeu com inúmeros outros, a ser frio e fechado.
Nós estamos juntos, mas não existe confiança, podemos tentar até conseguir, mas o que será que eu conseguirei estando parado aqui? O sempre nunca dura mais do que o suficiente pra causar cicatrizes na alma, eu aprendi que o tempo quando não é domado, se torna nosso maior flagelo, então não me venha com sorrisos falsos, pois eu odeio pessoas que mentem pra si mesmas, será que toda essa sua dor é sincera? Ou seria isso só mais uma cena bem trabalhada de uma fingida que adora controlar seu brinquedo? Que pena que já não estou disposto a ser tua diversão, ajoelhe-se e peça perdão, espere em meu olhar a compaixão brotar, enquanto minhas mãos não denotam nenhuma emoção, eu sou assim agora, será essa a sua derrota, ou a minha?

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Rumo

Então estou aqui, de pé, pensando no que escrever pra te enxer de fé na minha capacidade de te alegrar todos os dias daqui pra frente, as palavras fogem e o sono pesa cada vez mais sobre meus ombros fatigados de tanto carregar o peso dos erros passados.
Não sei o que me faz olhar pra frente sem dar importância ao que houve lá atrás, é tudo tão sem sentido, mas mesmo assim sinto a paz. A calma. Aos poucos vou entendendo que minha vontade mesmo é de não só repetir o que já foi dito, mas também dizer o que sempre quis dizer, me pego sonhando acordado com teu sorriso despertando ao meu lado na cama e sua voz rouca me desejando bom dia, sonho tanto que quase posso sentir teu toque, ouvir tua voz, sentir teu cheiro, teu calor, a maciez da tua pele em contato com a minha, é uma paixão sem igual, a esperança queimando no peito, os dias gerando uma nova vontade de gargalhar, cantar, abraçar e até mesmo sofrer por esse amor que me parece tão maluco, mas que carrega em si a razão da nossa existência.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Devaneios de uma certa madrugada

Às vezes eu penso que quero te dar flores ao invés de palavras, abraços ao invés de sonhos, beijos que possam substituir minhas piadas e meus comentários sem cabimento algum dentro dessa vontade que eu tenho de gritar pra todo mundo que te amo.
Os dias passam cada vez mais sem graça e eu me sinto cada vez menos amparado quando penso estar mais distante de você, a noite é longa e fria, mas eu não desanimo, não mesmo. Essa é a última vez que me desperdiço sozinho esperando que você diga que me ama, a última vez que meus olhos se perdem no vazio do quarto, enquanto meus ouvidos anseiam pelo barulho do telefone anunciando a tua ligação. Eu prometi o mundo, menos o meu amor, mas hoje te prometo meu amor, deixa ele te dar o mundo, deixa ele te dar aquilo que ele puder dar, afinal, o esforço é o que vale, eu só espero que você saiba disso.
Poderia ser tudo pra você, mas sou pouco mais que nada, apenas palavras que confortam e dúvidas que provavelmente te corroem, eu só queria saber o por que eu sei tudo isso e, ainda assim, continuo me fazendo de rogado e acreditando que você quer tanto quanto eu ser feliz dessa maneira, então como uma criança que sonha com o presente de natal, eu sonho teu sorriso enlaçado em meu abraço, enquanto nós nos perdemos na vasta cultura da livraria, imagino teus olhos me encarando enquanto tomamos capuccino no shopping, ou até mesmo teus braços segurando os meus, pedindo proteção do frio que reina dentro do cinema, tudo que eu quero é a simplicidade como maior tesouro da nossa felicidade, eu só peço que a alegria pouse sobre nossos dias e nos faça finalmente poder dizer, não via palavras lidas, mas palavras ouvidas, o famoso:
EU TE AMO!

Festa no Meia Luz

O Meia Luz era um bar com ares fascinantes, tinha poeta, cantor, violão, fumaça de cigarro e vários paletós baratos que a gente acha um barato, compra e depois se arrepende. Íamos para desaparecer entre as palavras que, soltas pelo ar, nos guiavam noite a dentro com maestria, dançavamos então a valsa da boêmia ao som dos heróis anônimos mais famosos da crise dos paradigmas, por fim, nos perdiamos num sentimento imenso de puro companheirismo. Estávamos entre comuns.
As horas passavam como se não fizessem parte do tempo dentro daquelas quatro paredes, mas lá fora o relógio teimava em nos lembrar que as frações de tempo não só existem, mas também tem a finalidade de alertar que somos escravos dos ponteiros, mesmo assim era uma noite de alforria, sorrisos sinceros, olhares brilhantes e beijos ardentes, tontos pelo pecado, mas nascemos pra pecar.
Logo perdemos o rumo das horas, éramos deuses em um bar perdendo os poderes à medida que as vozes iam ficando roucas e a música já não era tão afinada, mas o fim da farra era sempre o melhor da festa, cabelos despenteados e rumos desconhecidos, desorientados mas totalmente renovados, mortais prontos para um novo dia, uma nova batalha.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

O espetáculo

É um tipo de sonho, as luzes se acendem e o show chega ao fim para quem está na platéia, mas pra nós dois, este é o começo do nosso espetáculo particular.
As ondas do ar se chocam contra nossos rostos e você sorri só porque meu cabelo é estranho, eu olho nos teus olhos e nosso silêncio denuncia o desejo, logo, sem demorar mais do que o tempo que meus pulmões levam pra expelir o ar, nossas bocas se enlaçam enquanto nós nos permitimos os beijos mais invejados, recebemos aplausos dos céus e a chuva chora emocionada com a interpretação mais perfeita do amor, encenada por mim e por você. Como eu poderia não escrever, mesmo que atrapalhado, sobre esse amor que nos leva por cada canto do mundo sem que nossos corpos se movam um mínimo centímetro enquanto nos abraçamos como se fosse a última vez? Adoraria ter você sempre sorrindo ao meu lado, reclamando que não aguenta mais se esforçar e dançando de olhos fechados ao som daquelas canções que eu tanto implico, não como não dizer no fim que te amo, pois nosso teatro só da certo pelo simples fato de nós sermos a platéia um do outro.
Portanto, aqui, bem aqui mesmo! Onde os sonhos ganham vida, eu quero te falar que nada fará um dia eu te perder, já que teus sonhos, charme, tua sensualidade e pureza estão guardados por trás dos meus motivos mais simples que uso pra justificar meu sorriso de moleque e minhas piadas divertidas.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Finalmente louco!

As mudanças ocorrem em sincronia com as decepções e amarguras, nunca se é feliz por completo, assim como também não somos totalmente tristes.
Me deixa faltar aula, me deixa sorrir à toa, deixa eu contar as histórias que li pra pessoas que não conheço, hoje quero ser Dom Quixote sem um fiel escudeiro, quero ser Romeu sem Julieta, hoje a solidão é minha parceira.
A noite é longa quando seguimos regras, mas hoje o jogo é diferente, amor é consequência, decepção é suposição, tudo que existe é apenas minha hiperatividade, felicidade, um copo, uma garrafa de tequila e toda minha eloquência e incoerência que se transcrevem para o papel tentando refletir as mudanças de um romântico decepcionado.
Noite quente e uma manhã incerta, janela aberta e um céu sereno, a paz entra pela janela e me perturba a vontade de querer me perder no calor do corpo, deixa o pecado me invadir, deixa eu cantar alto e sair da linha, ora certo, ora errado, jamais culpado, apenas um bom vivant.
E aqueles sonhos que voaram do varal do quintal? Simplesmente os substitui por sonhos mais impossiveis ainda, que venham os amores e tragam as dores e decepções em seus punhos apaixonantes, estarei aqui como sempre estive, mas em guarda diferente e com reflexos mais apurados, vamos arriscar e ver que fim teremos quando eu me deitar para o sono profundo que me aguarda em tempo certo.

domingo, 18 de outubro de 2009

Essa noite

Essa noite tem um ar nostalgico, lembra todas as memórias não vividas ao teu lado, de repente me vejo cercado pela magia do teu abraço e daquele beijo nunca dado.
Acaricio as cordas do violão e me perco nos acordes desorientados de um simples apaixonado, então me pego pensando em nós dois, tudo será melhor se não houver medo? Nossas imperfeições nos trarão a perfeição? São respostas que só serão concebidas se eu te fizer acreditar no meu amor.
Segura minha mão e me deixa te levar até o céu, deixa eu sentir tua cabeça sobre meu peito repousando e sonhando dias de glória e graça, repletos de beijos, abraços e juras de amor, tudo que eu quero é te fazer entender que nossas vidas estão cruzadas e nossas mãos entrelaçadas alguns passos adiante, o que nos resta é deixar de fingir que não há paixão em nossos olhos e falar que o coração tem carta branca pra agir, esperei tempo demais pra te falar isso, mas hoje, amanhã e sempre, quero que saiba que eu te amo e que nossos dias serão lindos pois teremos um ao outro.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Laura

Ouvi certa vez alguém falar que tudo passa, mas pela experiência, sei que não passa por completo.
Hoje me peguei sentado na mesma escada em que perdia horas sorrindo e fazendo piadas só pra te roubar um sorriso, lembro que teu abraço era apertado e se encaixava no meu, fingiamos que o mundo era mundo e que não havia amor, mas por ironia do destino, meu amor sempre esteve em teus olhos, refletidos nessa personalidade forte e por mais que pareça utopia, foi apenas desleixo, mas eu juro, sempre foi verdade.
Nossa história não é um conto de fadas, nem chega perto de ser fábula, mas nossas fantasias são tão reais que ainda posso dizer que nada no mundo me faz chegar perto das estrelas quanto ouvir tua voz falando que me ama, não sei ao certo o que me fez fugir de ti, mas a verdade é que você está em mim e onde quer que eu vá, você irá também, o motivo por trás do meu sorriso, o brilho contido em meus olhos, a inspiração de cada poema, de cada texto, a essência de cada uma dessas palavras. Todos querem saber quem é você, pois eu digo! Seu nome é Laura, personagem de livro, o meu livro, lido página por página, todos entenderão que não se trata só de uma capa, mas de uma história, um romance, confuso e complexo, mas de destino certo, então que fique claro que meu amor reina por ti e que por mais que o esconda por trás de fugas sem razão, o que importa mesmo é que aqui dentro é tudo teu, do meu humor ao meu carinho, tudo isso não é nada se eu estiver sozinho, é tudo teu, apenas teu, guardado em uma caixa com um nome gravado: Laura.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

It usually be a dream

Deixa passar na avenida o samba da gente, deixa reinar no boteco o som da alegria, Martinho é o poeta que canta as artimanhas da minha vida.
Eu estou aqui mais um vez, cheio de dúvidas, ânsias e revoltas, mas não tente me responder nem pregar sua fé, eu preciso de motivos concretos pra acreditar que te amar me faria ser mais feliz do que já sou, fui, ou serei um dia.
Minha conivência com a auto piedade se perdeu caçando motivos rasos pra achar no profundo dos teus olhos a beleza que você nunca teve ou terá, então ao som de um bom samba malandro, meu sorriso bôemio fez-se aberto, debochando das suas lágrimas secas, que não rolavam por um "sei lá" que motivo, mas que se escondiam por trás daquele semblante belo e acuado.
Você é tudo que eu quero e que não deveria querer, isso faz de mim um coitado, vítima do sarcasmo das encruzilhadas que cruzaram teu olhar com o meu, mas já não tenho mais paciência pra conquistar ou ser conquistado, seria tão mais fácil que fosse coisa de pele, chegar e te pegar pela cintura, provar do teu beijo e despertar na tua nuca a fonte dos nossos desejos, mas a verdade é que eu nos afastei de um destino sem destino, de um rumo sem futuro, por mais que queira acreditar que sou homem o suficiente de não te querer, me pego te querendo mais e mais a cada simples olhar, então mais do que nunca hoje desejo ser cego, ser mudo e analfabeto, assim não poderia escrever os segredos desses sentimentos confusos que ecoam em mim.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Mulher

Mulher não é só penteado nem rebolado, tem que ser muito idiota e estúpido pra reduzir a grandeza da feminilidade em um simples corpo.
Mulher de verdade leva atrás do sorriso a femme fatale, carrega nos olhos a sedução perspicaz que acaba sendo o cais de um homem, mulher não é aleatória, é precisa em suas investidas silenciosas e ainda precisa de muito mais que abraços e beijos.
Mulher é o sexo frágil que simboliza a fragilidade desumana do homem, nós que nos ostentamos pela força e opulência, mas no fundo da essência, somos dependentes de vocês mulheres, meus olhos vorazes devoram cada passo e cada lábio feminino, minhas palavras traduzem a satisfação e admiração por você mulher e se você ainda pensa em curvas quando lembra de mulher, entenda, a mulher completa traz em si muito mais do que vaidade, ela detém uma inteligência e carrega o sarcasmo e ironia que uma mulher precisa ter para ser não a vítima, mas a caçadora que veste a pele da vítima.
Meus suspiros se vão a cada palavra que é prescrita nesse texto, pois minha contentação com a palavra mulher vai muito mais além das ancas e dos seios, ela começa pela mãe, passa pela irmã, amiga, prima e termina na companheira fiel às nossas emoções, então que fique claro que sou eterno apaixonado pela mulher, a real graça (e em certos casos desgraça) da beleza do mundo.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Mudo

E mais uma vez o tempo passou rápido pra mim, estava tão distraído que nem percebi quando você partiu e muito menos lembro se ouvi o que você disse na sua ida.
Somos racionais o suficiente para planejar o amanhã, mas idiotas demais para viver o hoje, minhas dores não são tão fortes, meus medos não são os piores, minha sensibilidade não é a mais poética, mas minha dúvida é certa, continuo voando por céus nublados na esperança de um dia achar o sol, eu poderia te ver mais uma vez? Eu deveria te ver mais uma vez?
Siga, apenas siga pelo caminho sem se questionar sobre sua chance real de vitória, não olhe pra trás procurando por respostas que possam responder as perguntas que já foram respondidas, era tão simples sair, abraçar, beijar e no fim da noite te amar, éramos fogo e ar, combinação perfeita de elementos, nossos opostos eram reais e unidos pela diferença assustadora de nossas mentes, dois corações vadios e largados pelo mundo.
Viver a vida sem eira ne beira, mas com dois braços pra servirem de refúgio, essa era nossa principal forma de pensar, a mesma forma que moldava os contornos dos nossos lençóis e temperava o calor da atmosfera do nosso quarto, mas de repente a luz apagou e o frio invadiu meu eu pela janela da minha alma, dentro de mim ecoa o som de um mar que nunca se acalma, feroz irriquietação, agora sou apenas um desafio a ser vencido e a vencer, para me desafiar você precisa ser forte, algumas coisas nunca se explicam, algumas buscas nunca terminam, mas eu não vou parar até me sentir vivo o suficiente para continuar sorrindo, eu sei que isso machuca você, mas em mim isso mata, então repouso mudo pelas nuvens de um céu raso que impera ilimitado dentro das quatro paredes do meu quarto.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Multidão

Voltando pra casa junto com o sol que se põe aos poucos e vai se despedindo com preguiça, deixando um rastro em tons de dourado e rosa.
Meus passos passam cansados pela calçada, cabelo arrepiado e ares de quem sobreviveu a mais uma batalha, paro na esquina e tomo um café forte, são seis da noite e seis milhões de pessoas que passam pelas veias de asfalto dessa cidade, meus olhos castigados e ardidos, apenas observam as idas e vindas de quem venceu e de quem perdeu, mas há algo em comum entre todos na multidão, a esperança de um novo amanhã.
As estrelas nascem e mistificam a noite, um ar bôemio e romântico, a semântica da vida nos acordes do violão, paro quieto no sofá da sala, mas minha alma é hiperativa e minha mente nunca para, acabo afogando as ânsias e a armagura do dia em alguns goles de vinho, nada é tão bonito e simultaneamente tão triste quanto a falta de um abraço sob a luz da lua, a mesma luz que flerta com minha melancolia todas as noites.
Em minhas mãos não se repetem aquelas palavras, mas ecoam gritos silenciosos que clamam por uma companhia que te faça rir e acreditar que existe mais do que simples lutas por sucesso na vida, quero fraquejar por paixão, ser ingênuo, me perder em planos e devaneios, pintar a casa com uma cor qualquer que possa agradar você, seja lá quem você for, após tudo isso, me dou conta do quanto faço parte da multidão.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Um Heroi.

Eu tenho nas mãos um amor, um amor meio louco, sem visão, audição, olfato, tato ou paladar, é um amor sem eira nem beira, sem começo, nem meio e pelo visto, muito longe de ter um fim, é um amor meio desvairado, cheio de neuras, sonhos e compromissos do acaso, mas é um amor que é versátil e moldável, cabe na palma da mão, numa imaginação ou até ocupa todo esse espaço que existe dentro das quatro paredes desse quarto.
Invariável, estupidamente sem nexo, mas não precisamos de nexo quando se há amor, pois no amor vem embutida uma razão peculiar, devota aos sentimentos, mas perfeitamente capaz de ler nas entrelinhas do corpo e da alma de quem se deseja. Então os dedos se entrelaçam, tua boca tão macia se perde na minha que toma postura agressiva e investe movimentos vorazes contra os teus lábios, que por sinal, não hesitam nunca em se entregar aos meus.
Somo dois amantes unidos abençoados pela lua e unidos pelo vento, o mesmo vento que leva nossas carícias, ânsias e saudades, pelas suas correntes, então eu sou um homem que não só ama, mas ama na mais profunda essência do amar, buscando na simplicidade do sentimento, a complexidade de se manter firme perante as tempestade, pois nem medo, nem tempo, nem distância, hão de me render à derrota dessa batalha, assim que o esforço recompensar, eu serei o sorriso que brilhará em meio a tantas feridas, só pra te agradar e te fazer acreditar que eu sou o teu heroi.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

HOMENAGEM A UM CERTO DANIEL

Que houve meu amigo? Já não ouço mais seus gritos estridentes, nem suas piadas inteligentes, nem sinto mais teu abraço de irmão mais velho, que houve Daniel? Deixaste de correr os riscos? Paraste de ser aquele rapaz trabalhador e singelo? Onde está agora aquele abrigo que guardavam os conselhos mais úteis? Me diga o que aconteceu, você dobrou a esquina e deixou uma multidão de fãs que não pensam duas vezes em assumir a admiração pela tua existência, todos lamentando aos prantos a partida do "maluco lezão". Não sei, não tenho respostas, não as quero responder, nem mesmo me importa saber porque motivo, seja ele divino ou terreno, você partiu, mas com você se foi aquele pedaço que cada um de nós guardava consigo, então sentimos o vazio, ele é frio e esquisito, ainda mais quando surge assim, repentino.
Não vou mentir que, "revolta" é a palavra que traduz meus ânimos, mas tenho que admitir que, "fé" é a herança que você deixou de recordação para nos reanimar as forças, então só tenho fé de que você vai em paz, repetir sua missão no céu, faça os anjos gargalharem, anime o paraíso, pois esse teu sorriso e essa tua gargalhada de homem moleque, ficarão guardadas pra sempre em nossos corações e um dia, sua filha nos sorrirá da mesma maneira, pois essa é a lição que você deixou e eu, como um bom "amigo-filho-irmão", continuarei com todo o prazer.

VÁ EM PAZ DANIEL, QUE SEU DESCANSO SEJA REPLETO DE LUZ E SERENIDADE.

"mesmo que o luto doa, seu sorriso nos traz risadas, mesmo que a mortalha te cubra, nossos sonhos serão a nuvem que te levará até os portões do paraíso, mesmo que o tempo passe, em nossos corações existirá viva a imagem de alguém que soube viver a vida."

LUTO EM SUA HOMENAGEM DANIEL!

domingo, 13 de setembro de 2009

Chuva, frio e paixão.

Era um dia chuvoso, desses que faz frio e nos deixa com preguiça, um dia tão nublado que nem sei que graça teve, mas por algum motivo, não deixo de ter a impressão que foi o dia mais feliz da minha vida.

Você estava aqui, tão perto de mim que posso jurar que senti seus cabelos molhados se esparramando em meu peito, sua pele macia, aquele seu jeito calado e um sorriso lindo que me enfeitiça. Aliás, que feiticeira! Alguém sem imagem, uma paixão que se torna concreta só pelo pensamento e pelo sentimento, te sinto tão perto de mim que me perco no sonho de te encontrar dentro desse lugar.

Às vezes parece que o caminho é cheio de pedras e totalmente deserto, mas então percebi que estava caminhando de cabeça baixa, percebi através da tua existência que surgiu como a mão que ergue meu queixo e me faz enxergar as pessoas ao redor, tua luz, tua paz, até tua tristeza e tuas dúvidas me fazem ser o que sou, então em dias tão fechados e sem luz, eu posso dizer que encontrei a minha luz em tua paixão.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Alguém para alguém.

Então estou nessa situação mais uma vez, em pé, diante do espelho, procurando entender quem sou e, se sou o que sou por querer ser alguém para alguém.
A uns meses viro a noite, quase íntimo da madrugada, umas horas rebelde, outras calmo, por alguns instantes me torno amante da solidão ao passo que o sereno me guarda enquanto eu sonho sono noite a dentro. Na mesa, livros e mais livros compõem uma bagunça que faz todo o sentido do mundo para mim, posso falar do sol e ir até a lua, posso falar da água e terminar em whisky, sei até que consigo velejar pelos sete mares sem sair da minha cadeira, mas se posso tanto, por que ainda não tenho o acalanto de alguém que achou a paz?
Talvez eu seja mais vivo do que pensei, eis que enquanto meu coração me prega peças, minha mente o adverte e tenta me convencer a dar ouvidos à razão, mas com todo o charme da paixão, porque dar ouvidos à ela? Se tudo que mais quero é me declarar homem romântico, de inúmeros sorrisos e prantos. Posso perder horas a fio falando dos meus sonhos, as minhas expectativas, posso confessar que todos os dias saio de casa pensando que vou encontrar meu grande amor, mas hoje não foi assim, é até estranho, sinto algo faltando, é irônico a forma como você se entrega sem saber se é recíproco, mas mesmo assim, me entreguei, então me decepcionei, só hoje entendi que meus olhos são do vento, denotam toda a gentileza, compaixão, coragem e uma boa pitada de tesão pra apimentar meus romances, porém, é um olhar que passa despercebido, guardado por trás de óculos castigados pelo caos de um calor infernal que me queima a fronte e me remete à saudade do frio.
No fim, termino novamente entregue aos cinco sentidos que operam em mim, beleza não é graça, nem de graça é meu amor, queria poder dizer que esperaria por anos a fio por um sorriso que me salve da minha própria frieza, mas acho que a cada passo que dou, estou mais longe do meu amor.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Cisma

Me perdi nas linhas de uma folha de papel, como quem se perde dirigindo pela estrada, coração acelerado e as dúvidas desiguais que me viraram do avesso, eram dois caminhos, incertos, loucos, revirados.
Tinha então nas mãos, além do volante, uma responsabilidade, era dono do seu destino, mas percebeu o quanto isso exigia força de vontade e coragem pra traçar os rumos retos da vida de um cara de palavras tortas.
Você não percebe, mas o tempo vai e leva a cada andar do ponteiro, um pedaço teu, aos poucos, você será somente um vazio em mim, então enxergue os olhares à sua volta, entenda que eu não sou ninguém parecido com as outras pessoas, no fim, decida quem eu sou pra você.
Até lá, me deixa viver andando, sorrindo e beijando quem me ama de verdade.
;)

Acordado e sem medo

E é engraçado ler as cartas que nunca enviei, estou aqui parado e pensando, digitando toda a saudade que sinto da tua falta do que dizer enquanto eu falo nos mínimos detalhes sobre tudo que penso, relatando todos os sentimentos e sensações que tive durante o dia.
A inspiração vem na madrugada, chega de mansinho com as mãos dadas com a solidão e me faz companhia até as pálpebras pesarem uma tonelada, ou mais. É um som cansativo esse que flutua pela atmosfera da sala, olho para as paredes e as vejo iguais, ao passo em que se tornaram tão diferentes, já não estou só, sei que a tua companhia se faz presente agora mesmo, entorno o capuccino que se tornou o ícone do nosso amor, o aroma vai aos poucos me embalando o sono, enquanto lentamente, vou me sentindo preso ao azul intenso dos teus cabelos, é! Esse azul que contrasta com o verde dos teus olhos e que de alguma forma, me faz sentir o cara mais próximo de você, mesmo que a distância omita o fato consumado que é a nossa história, é tudo tão estranho, mas quando me deito é tudo tão normal, sou só um mortal acreditando no amor, dedilhando as cordas do violão, na esperança que você ouça as canções que componho pra você, isso mesmo! As canções que componho só pra você, então quem sabe, num dia desses em que você se sente mal com a pressão baixa, toque no rádio esta música singela e confusa, mas que é certeira em todas as certezas que tenho sobre as respostas que o teu sorriso guarda para todas as perguntas que existem nas entrelinhas do meu ser, que seja assim então, um só, uma só, dois sozinhos e um sonho, meu coração inundado de saudade daquele mundo teu que ainda nem conheci, mas sei que amo, pois toda a tua existência hoje é parte de mim.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Aquele cara

Passos largos que eram dados com toda a pressa do mundo, um vagabundo que sorria pro vento. Suado, passava com ar de rapaz jogado, lia todas as entrelinhas de todos aqueles olhares que lhe cruzavam o caminho, calava a boca do mundo com seus headphones no ouvido, tentava acalmar a fúria de seus pensamentos, sentia o vento e passava a mão nos cabelos, treinava os discursos mais bonitos e inflamados, imaginando a declaração de amor perfeita para o amor ainda não revelado.
Se perdia em um bar, ouvindo o som de um violão que lhe cantava a paz à sua alma enquanto, sentado sozinho, anotava todas as sensações, num dia herói, noutro vilão, tinha sonhos e um coração trincado pelos choques daquilo que chamam amor, queria acreditar em tudo que lia, que assistia, que ouvia, mas as experiências da vida só lhe mostravam o contrário pois, a boca nunca é tão amarga quando se beija a solidão.
Decepção e esperança, um drink que espanta, entornava o copo em um gole só, deixando a esperança prevalecer por último, às vezes chorava enquanto a mesma história se repetia pelos dias agitados, mas entendeu que no fim, sentia tudo aquilo que deveria sentir, eis que terminou sorrindo no sofá, esperando o dia por um beijo que lhe vire a cabeça de um jeito que o faça viver os contos de amor.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Este som boêmio.

Um barzinho no meio do nada, meia noite, Billy Paul me fazendo dançar bêbado feito um boêmio sem eira nem beira, nem endereço, somente o apreço da platéia e o prestígio da miséria que insiste em morar nos bolsos.
O mundo é mais lindo do que os nossos sentidos falhos nos mostram, existe mais beleza naquele sorriso do que você pode ver, são imperfeições assimetricamente perfeitas, é uma lua tapada pelas nuvens, uma lua que brinca de esconder com você, enquanto você se perde entre os pedaços de algodão que flutuam no ar.
Areje sua mente, sorria, sente na calçada e sinta o ar bater na sua face, venha, vamos correr noite à fora, vamos à forra na gandaia, existem lugares em você para serem visitados, existem sorrisos a serem explorados, quero que você sorria e me deixe atento aos seus movimentos, cantando alto com a cara de pau que tenho, improvisando enquanto tropeço no meu inglês inventado.
Vamos sair desse lugar calmo e ultrapassado, garota, você sabe do meu potencial, você sabe que me quer e sabe que eu sou o homem certo pra você, por que me deixar ir com a noite e as estrelas? Seremos eternamente uma festa que segue pela efemeridade dos 2 litros de aguardente dessa garrafa.
Não se prenda a tabus que lhe são impostos, ser inconsequente não é sinônimo de fracasso, jogue tudo pro alto quando não aguentar mais, pode jogar, eu estou aqui e aparo em movimentos malabaristicos todos teus sonhos e tabus, ei garota, é cedo, vá e corra, depois volte e me diga o que viu, me fale o que sentiu e se este é o fim do mundo, ou, o começo da nossa história.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Ida e Regresso

Leve, me vejo de encontro aos céus, eu avisei antes de sair que eu não volto se não conseguir, então ela chorou de saudade antecipidamente, segurou contra o peito o abraço que eu nunca dei e lembrou das palavras que eu nunca disse.
Em uma velha caixa de sapatos, repousam nossas fotos amareladas pelo tempo, lembro que você sorria feito uma criança ganhando presente, lembro até daquela festa onde dancei o que tinha que dançar e fiz o que tinha que fazer, ao término da noite, quando o sol anunciava sua vinda, me vi descalço na praia segurando meu paletó, ofegando e com um sorriso de canto na boca, lembrando que a tempestade hoje é calmaria.
Queria te mostrar onde cheguei, segurar tua mão e te fazer sentir flutuando no ar, mesmo com os pés no chão, mas se acaso você se perder navegando em suas dúvidas não se desespere, eu estarei aqui pra não te deixar se perder nesse mar, lembro que escrevia pra ninguém, mas todos gostavam, lembro que na janela do meu quarto ainda bate a sombra da árvore que, por muitas vezes, foi a chave do meu universo, hoje sou a porta que dá acesso a felicidade, através dos meus olhos você verá o mundo, através dos meus dedos você desvendará enigmas e mistérios, pela minha força vencerá duelos, enquanto isso te levo atrás do meu sorriso, causando o sentimento de paz e confiança, eu disse que não volto se não conseguir, mas falei isso só pra fingir e dramatizar, pois meu amor, eu hei de voltar até do inferno pra sentir teu nobre ar belo que cavalga minha tez e contorna minha dor, sou de olhos de tormenta, mas tu é a cura, não se assuste, eu estou de volta, mais alegre do que nunca.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Sonho de amor

Podemos fingir que o mundo rodou bastante até nos deixar tontos o suficiente pra vomitar todo o orgulho que há em nós.
Me deu as mãos e correu bem rápido, nem sei qual sua intenção, mas sei que do seu lado sempre brilham mais estrelas do que o meu, é engraçado passar o tempo deitado e largado ao relento enquanto você se recosta sobre meu peito e fala sobre seus objetivos e suas amarguras.
Então a manhã nasce e nós acordamos na varanda, adoro tua cara de sono com ares de felicidade, adoro tua simplicidade, teu corpo lindo vestido somente com a minha camisa larga, é tudo tão bonito que eu simplesmente me entrego a essa paixão.
Sedução em olhos pequenos que me hipnotizam durante a tarde, tua vontade se torna a minha, então no calor que reina abaixo da linha do Equador, tua boca encontra a minha, descobrimos então que não existem horários pra amar.
Amo esse teu sorriso de canto de boca, que se segue por uma mordida no lábio inferior, revelando tua satisfação e tua felicidade, então eu me vejo preso ao teu cabelo preso, lírios, rosas e jasmins, todos os melhores perfumes operam em mim, gradativamente me vejo cercado pelo teu encanto, então nós nos deitamos no sofá até a música acabar, você se encolhe nos meus braços e os segura como se fossem teus apoios que te mantém firme enquanto o vendaval passa, então nossa tarde se encerra em um beijo que proclama ao mundo a paixão máxima de dois corações bobos que fingem ser durões pra não encarar suas fraquezas.
Quero que a noite venha devagar, dando tempo suficiente pra eu te beijar, tua pele macia que se perde na minha, nossas pernas entrelaçadas no silêncio da sala, somos dois em um, um amor em dois corpos, duas almas eternamente apaixonadas, somos o objetivo de todos os mortais e imortais, somos a lição que a vida procura, o medo que evitamos por tanto tempo, hoje apenas nos encoraja, eis que somos sol e lua, branco e preto, ternura e desejo queimando no sofá.

Nosso caminho

Memórias e melodias, fragmentos de uma vida que ecoam como fantasmas em um poço sem fundo.
Era mais que música, era uma saída pra acreditar que ainda existem mais dias como aquele em que sorri, você me diz que é minha pela eternidade, mas e se a eternidade não existir? Seria um motivo a mais pra não nos arrependermos de nada, eu acho que você sabe o quanto sou teu, mas lembre-se que ninguém é de ninguém por completo, então respire fundo e pense bem se este abraço é realmente o melhor abraço do mundo, entenda que as rosas são lindas, mas tem carregam espinhos pra se defender.
Estou na varanda dançando com o sereno, enquanto a insônia aplaúde as verdades que descobri, sou mais forte do que imaginei, tão forte que nem dependo mais tanto de você quanto imaginei, mas ainda sim, sinto que se você virar de costas parte do meu mundo vai abaixo, então amor, fale baixo enquanto eu estiver aqui, grite sempre quando eu perder a noção do tempo falando bobagens, esta é a minha viagem, mas me acompanhe e descubra no mundo o que eu descobri, quem sabe então nós dois façamos isso valer realmente valer a pena, é uma vida tão linda, apenas segure minha mão e siga, este é nosso caminho.

Viva la vida

Era uma doce melodia, luz na estrada, poeira alta, poesia vadia. Uma escada que me leva às estrelas, uma nuvem espessa com espaço pra caminhar, então eu me deito sobre os sonhos e faço ecoar minha felicidade, é um calor que não vem do sol, mas de mim.
Meu violão faz minha sorte, já nem sou mais aquele coitado a mercê dos amigos, quero me perder em pesamentos, me lançar do penhasco e voar a sabor do tempo, tempestades furiosas, calmarias memóraveis, aventuras, ao som do nobre Djavan caminho com as mãos no bolso e um sorriso que cumprimenta a vida.
Levantem as cortinas, este é o show da felicidade preenchendo a vida vazia, meu samba de moleque e molejo generoso, meu cavalheirismo estúpido que supera a ignorância, lua cheia, oceano azul, paz divina, pérolas lindas, me perco em pensamentos, enquanto em mim cresce a mais pura e radiante alegria.
Alma rasa e calma, um rio que passa com seus mistérios, piadas sem graça mas totalmente hilárias, a diáletica de um vagabundo, as risadas do mundo em meu peito, que fique claro, muito claro: Viva la vida!

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Solidão e oração

Meia noite, meia luz, ecoa na sala o som daquela canção country que canta a saudade, abaixo a cabeça e faço minhas preces.
Ainda lembro que corria pela rua descalço, sorrindo abertamente, uma criança eloquente, cheia de dúvidas e alguns fracassos, mas isso não ecoava como ecoa hoje, sentava na calçada e brincava de sorrir, era um jogo divertido que só era jogado por amigos, era o começo dessa jornada.
Tragédia e comédia, um romântico numa estrada solitária, escrevendo memórias póstumas e prévias, brincando com as palavras, ou até, sendo brinquedo delas.
Daqui do alto, nesta nuvem em que me encontro, olhei pra baixo e não senti medo de cair, estava pois, feliz, seguro em braços que nunca me abandonaram, era uma luz confortavel e quente, que espantava da mente todos os segredos obscuros e os medos endemoniados, era Deus ouvindo minhas preces e proseando comigo.
Querido Deus, eu só peço para que a guarde em seus braços enquanto eu não estiver por perto, é díficil achar uma razão pra justificar, mas todos nós precisamos de uma pessoa em que podemos acreditar e também ser sinceros, eu estou cansado e me senti só por um bom tempo, mas finalmente achei alguém que traga em seus olhos todos esses significados, eu sei que não sou tão forte quanto aparento ser, mas use minha força para afastar os males para longe dela, um mistério que não se revela, uma luz apagando na escadaria da capela, estrelas cadentes, coração carente, versos bagunçados e desorganizados, sentimentos sem regras nem padrões, o senhor entende minha dor e sabe como pará-la, então Deus, por favor, eu só lhe peço que a guarde em seus braços enquato ela ainda não me conhecer, pois tudo que mais desejo é contar a ela que eu existo.

sábado, 29 de agosto de 2009

Muralha

Você sente o que o mundo te passa? Você chora as surras que o mundo te dá? Ou você aprendeu a parar de cair e cansou de fraquejar?
Olhei pro lado e vi um louco que era mais racional que eu, estiquei os braços pro céu e quase senti o abraço de Deus, sorri e chorei, cantei e calei, amei e odiei, que Deus me perdoe, mas pensando bem, odiei muito mais do que amei.
É Sábado, o amor prevalece, vamos nos divertir cantando "Rock with you" do rei, deixa o mundo desabar enquanto eu me reestabeleço na pista de dança.
Então quando eu acho que o mundo gira em torno de você, percebo que você é só uma nuvem grande que passou pela minha vida e fez sombra, mas é hora de sentir o calor novamente, passe a sabor do vento e sinta ao relento da noite a falta que te faz meu abraço e minhas palavras acolhedoras, diga que eu não faço falta, grite se quiser, mas no fim da garrafa você sabe que o amor que você rejeitou estará lá, ecoando no vazio do copo, perturbando esse seu mundinho ensolarado.
Você pode me dizer o porque quer ser tão forte, ou pode apenas calar e deixar sua cara séria denotar essa sua força, mas seus olhos fitam o vazio enquanto tremem no frio da solidão, você sente falta de algo, mas está tão perdida que nem consegue enxergar.
Eu poderia voltar atrás e te estender a mão, poderia dar a você as belezas do mundo e te mostrar que o pai é supremo nas criações perfeitamente elaboradas, mas você só quer ficar sozinha, em volta de todas suas defesas, cansei de tentar escalar esses seus muros altos, mas neles deixei escrito um recado: "estou aqui!"
Quem sabe um dia, meio que de passagem, você não leia e perceba que aquela rima eu fiz pra você, quem sabe até você não perceba meu recado na parede e tenha sede de me procurar, até lá, deixo a pista de dança me confortar.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Sax sexy e o sexo com a solidão

"Eu quero é viver em paz, por favor me beija a boca, que louca, que louca..."

Djavan - Fato consumado.

É fato consumado a paz de espiríto que Djavan me trás nos acordes animados de sua canção, então o sax sexy embala o meu sexo com a solidão da madrugada.
:)

O que há em mim.

Composição: J. Erick

É sempre assim, você foge e me deixa aqui
Plantado sem saber o que fazer, sem saber pra onde ir
Noites a fio e um desafio a vencer
Ainda estou aqui, esperando pra ver o que vai ser.

Eu passo no compasso do tempo
Dançando a valsa que toca o vento
Espero ainda vir o sereno
Que sereno responderá minha dúvida

REFRÃO
Só quero saber se vai caber em você o que há em mim
Só quero entender se vai perceber que te quero assim
Largue suas defesas, cartas na mesa, pois este não é o fim
Eu só quero saber se vai caber em você o que há em mim.

Eu sou um guerreiro, astuto, asteca, espartano, sou de todos os cantos
Vim do céu, da terra, do ar, buscando uma batalha pra enfrentar
Eu sou o começo, meio e fim, coberto por vários mantos
Vim de qualquer lugar, só pra saber se está disposta a me amar.

REFRÃO
Só quero saber se vai caber em você o que há em mim
Só quero entender se vai perceber que te quero assim
Largue suas defesas, cartas na mesa, pois este não é o fim
Eu só quero saber se vai caber em você o que há em mim.

Redento ao charme de Eros

Em um lugar qualquer com ares búcolicos eu te encontrei, relaxada em meus braços, no ritmo dos meus passos você andava, totalmente despreocupada com o que o mundo irá pensar, falar ou rotular.
Durante aquela noite, a história não era sobre você, ou, sobre mim, tratava-se de duas almas em um amor só, consoante os planos do destino.
A luz da lua abençoava os teus lábios e o teu corpo, que em meio a tanto frio, investia-se contra o meu, encaixado em meu peito, envolto em meus braços, então tua boca era minha e minha boca era tua, aquele seu batom vermelho-sangue que contrastava com o verde dos teus olhos e enaltecia a tua pele branca e serena, dava-lhe um ar de vampira, ou uma feiticeira dessas que te deixam do avesso com o maior dos feitiços, o feitiço de eros, aquele que te esconde atrás do meu sorriso e te faz rainha do meu olhar.
Meu semblante calmo se perde em meio aos nós que o vento dá entre a gente, são arrepios, calafrios e muito calor espantando o frio, suas mãos em meu peito dão a impressão que eu sou o cavaleiro que defende a donzela, esse teu coração astuto, que bate forte sem medo de ser percebido, me faz sentir que sou dono do mundo, então meio que mudo, dou-lhe o domínio do mundo na palma da minha mão.
Uma voz tão limpa que ecoava em meu interior como uma melodia, assim me sinto forte e, a cada vez que te aperto mais em meu abraço, mais forte fico.
Não é uma fantasia, são milhas de distâncias que não fazem diferença, são unidades de tempo que não tem importância, pois a cada suspiro e a cada aperto no travesseiro ou nos lençois dessa cama que ainda não deitei, são sentidos aqui, onde o caos repousa e a dor ecoa, mas isso por hora, pois, com a chegada da aurora virá teu sorriso, trazendo-me a paz e a liberdade, então seja minha, só por hoje, seja a minha vampira, feiticeira, amiga, esposa, garota, minha sina, minha redenção, meus grilhões de saudade, minha chave de liberdade, só por hoje tenha em si, este grande pedaço de mim, então ao fim de tudo, apenas sorria, teu silêncio sempre fala mais do que minhas palavras e teu sorriso sempre se torna o ponto final das minhas cartas.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Obrigado!

De: J.Erick.
Para: Amiga Jéssica Naiany.

Três brindes a um sorriso do tamanho do mundo e um coração do tamanho do universo, um confessionário dos meus pecados, a redenção das minhas dores, a bússula das minhas dúvidas, ela é a alma que me orienta, pessoa que salienta e enaltece a esperança de que eu posso ser uma pessoa melhor.
Te adotei como amiga, prima, irmã, uma vida claramente ligada à minha, pois teu incentivo é necessário e tuas palavras são as gotas de chuva que lavam minha alma quando eu acho que tudo se perdeu no imenso turbilhão desse mundo, quando acho que agi demais, você me prova que agi de menos e quando acho que fiz de menos, você me mostra que fiz demais.
Meu freio, meu frio, meu calor, cala a dor e a angústia, privilégio abençoado de ser prestigiado por alguém tão parecida comigo, então ao fim de tudo, percebo que esse mundo ainda tem salvação, pois pessoas como você sempre me trarão fé.
Amigos como você para todos nós!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

De bem

Meia noite, meio escuro, meio claro, um pouco de barulho, todo absoluto o sereno se impõe sobre meu ser, toca minha tez clara, aconchega meu coração irrequieto, palavras, palavras e palavras, todas soltas, dançando valsa no ar.
Montanhas e rios em mim, florestas imensas, mistérios obscuros, sou príncipe, dono de tudo, dono do mundo, dono do meu mundo.
Seta rápida que rasga o meu reino, um tiro certeiro no núcleo da minha alma, envenena meu coração com tanto amor, que mal sei quem sou, mas sei que amo.
Era um tango sedutor, um samba de salão ao ar livre, era sem noção, sem limites, uma vida cheia de cores, pintando o meu mundo, rosa cinza que agora é vermelha, graceja e aquece, sou eu quem te merece, és tu quem me tem.
Diamantes que mentem o amor, presos a dedos pela vaidade, não são nada perto do teu sorriso, da tua voz e pele dourada, quem sou eu pra proclamar ao mundo tua existência? Quem sou eu pra sofrer por carência? Mares nunca antes navegados, totalmente calmos pelo meu acaso, acaso de paixão sem intenção, acaso de dor que não dói, só dúvida.
Repita que eu sou todo errado enquanto passa o resto da noite ouvindo meus conselhos, então quando o marasmo finalmente for conquistado, saberemos que nossos sonhos foram realizados.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

É TUDO FALSO!

É tudo falso, brincadeira do acaso, uma mentira bandida, um sorriso forçado, uma lágrima fingida, É TUDO FALSO!
São perdões nunca dados, são amores nunca vividos, dores nunca sentidas, cigarros nunca acendidos (ou nunca apagados), porres tão sóbrios que me sinto uma brisa sã e rasa, que passa pela estranheza do dia, da tarde, da noite e repousa cansada na madrugada.
Cuspo no asfalto, no espelho, arranco cabelo em surtos epicos que tem até uma ponta de erotismo, um ritual sem sentido, totalmente fora do normal, mas o normal é um enigma, uma incógnita totalmente atípica, meu suor embebeda o medo, transtorno obsessivo compulsivo com uma dose de whisky com dois cubos de gelo, perdão! Eu menti pra você? Quem sabe? Nem sei, você viu que tentei, mas você só se me viu cair penhasco abaixo, enquanto eu esperava você agir, mover um dedo que fosse, então eu me sentiria apto a voar, mas foi tudo falso, tudo fingido e mal acabado, entregamo-nos à conclusãos, prévias de preconceito, aquela felicidade virou anseio, que virou medo, que virou revolta e repulsa, minha falta de coragem causada pela tua angústia de ser mulher de verdade.
FOI TUDO FALSO! Eu torno a afirmar, grito, escrevo, aviso, foi e é tudo falso, poetas fingidos! Sentimentos maltrapilhos e totalmente escarrados, forçados a serem sentidos só pra impressionar quem não se impressiona nem com si mesma.
Foi e é tudo fingido, a única sinceridade está na culpa, na culpa de ser bandido e de ter morrido sem antes mesmo ter nascido na tua vida, minha imagem agora será esquecida, meu remorso se eleva, minha dor se alegra com a vitória, mais uma vez de volta ao berro de socorro e aos avisos alarmantes de que TUDO É E FOI FALSO.

Papel sujo e rasgado

Papel sujo e rasgado
És o meu melhor amigo
Abriga minha dor
Oferece-me teu conforto
Dê-me o esplendor
Sou teu amante
Sou teu primo
Sou teu protetor
Vislumbrado com o acaso
Escrevo passo a passo
O que sinto sem pudor
Então amor é dor
E dor é amor
Não há justiça
Onde já há o justo
Rogo-te papel sujo
Cura minhas feridas
Devolva minha vida
És meu herói
És meu carrasco
Confessionário de amor
E de pecados
Papel sujo e rasgado
Apenas guarde em si
Tudo isso que há em mim.

Súplica de um nômade emocional

Mente árida onde habita o esplendor, amparai em teu oásis a minha ignorância e estupidez.
Habilmente me põe a dormir, deixe-me repousar em sua tez dourada, à sua sombra admirar o horizonte e poder beber de tua fonte.
Hei de recuperar-me e fortalecer-me, hei de sorrir novamente, onde me escondo é onde me acho, longe de qualquer miragem, sem margem para o acaso.

domingo, 23 de agosto de 2009

Mudança de Planos

Composição: J. Erick

Hoje era o dia de sair e beber
Morrer e nascer mais uma vez
Hoje era o dia de me perder na rotina
Cair novamente na mesma ladainha
Hoje era pra ser sempre igual

Mas hoje não foi isso, hoje não foi triste
Hoje eu te encontrei
Hoje eu me apaixonei
Hoje não foi igual

Eu acordo com os passos não dados pela casa
Ouço a tua voz silenciosa no nosso quarto
Sinto os abraços não trocados
E o tempo é juíz do amor
Mas o amor é mais justo que o tempo

Mas hoje não foi isso, hoje não foi triste
Hoje eu me encontrei
Hoje eu te apaixonei
Hoje não foi igual

Os copos sujos e as pontas de cigarro
O silêncio raso de um amor profundo
A saudade clara de alguém obscuro
Nesses olhos verdes indefinidos
Nos cabelos pretos e azuis
Nesse toque sem sentido
É onde eu achei o meu sentido pra acreditar.

Mas hoje não foi isso, hoje não foi triste
Hoje eu te encontrei
Hoje eu me apaixonei
Hoje não foi igual.

Música de minha autoria.
:)

sábado, 22 de agosto de 2009

Calmaria


Tá tudo tão normal que eu até estranho, as cores estão tão vivas e os sorrisos tão sinceros que parece a calmaria que precede a tempestade.
Hoje senti falta de perder a razão numa discussão com alguém qualquer, senti a falta de ser o alguém de alguém qualquer, alguém que traga no sorriso a minha alegria e nos braços o meu abrigo, quero encontrar o céu nos teus olhos e as estrelas no teu beijo, quero deitar ao som da tua voz e rir com o percorrer das cócegas que você faz pra não me deixar dormir.
A cada noite que cai eu penso em explodir, resmungo pras paredes o quanto o mundo cobra de mim e o quanto ele me dá, peço pra não desejar mais que o sonho e a força pra realizá-lo pois sou homem, sou bizarro, mas sou homem!
Você poderia me dizer o porque escolheu ser assim, eu poderia te dizer que já fui assim, nós poderiamos sorrir e ir embora de mãos dadas, mas você se perdeu em si mesma, agora eu não sei o que sinto por você, não quero mais nem saber o que você tem a dizer.
Tente não acreditar no que te falam por aí, esse é um erro seu, não meu, você sabe que ninguém ensina nada a ninguém, então não perca tempo comprando filosofias baratas feministas revolucionárias, faça sua filosofia com suas próprias mãos e experiência, pare de enterrar com sua dor e sua amargura os sonhos de uma menina que quer achar o príncipe encantado, pare de dizer em tom arrastado que você não vai mudar, porque mais cedo ou mais tarde você muda, então quando mudar, espero que não se arrependa, eu te ofereci o mundo na palma da mão, já esperava que você recusasse e corresse atrás do seu próprio mundo, é o correto a se fazer, mas não esperava que você fosse se esconder do meu mundo, não pensei que você não tiraria proveito de nenhuma nuvem branca dele com teu nome, pois ele foi feito em cima daquilo que sinto, ou, sentia por ti, desse quase amor só restou quase dor, nenhuma amizade e nenhuma verdade, as percas que nunca foram ganhas, então das nossas lembranças só restou um abraço, um único abraço trocado onde pude ser teu e você pode ser minha, a mesma lembrança que hoje vaga no ar solta, entre o cheiro de bebida e a fumaça do cigarro, a mesma lembrança que vai perdurar sempre nessa sala de calmaria.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

A cesta básica da amizade.

A cesta básica da amizade não exige presentes caros e nem baladas históricas, não exige roupas caras e nem aparência exacerbadamente produzida.
A cesta básica da amizade é composta apenas de sonhos, companhia, risos, alegrias e um pouco de tristeza com gosto de chocolate amargo, eu sempre faltei com isso, mas hoje entendo que o que vale mesmo é a companhia, saber que você tem com quem contar, tem pra quem contar, tem porque contar, tudo isso incluso na nossa cesta básica da amizade.
Enquanto os dias passam e o tempo se perde em si mesmo, eu tento aqui concertar meus erros, dar a cesta da amizade que devo a vocês meus vários amigos, então aqui dedico a atenção mínima que posso dar a vocês, dedico à minha cesta básica da amizade, contendo amor, companheirismo, cumplicidade, meu jeito sarcastico, romântico, gentil, doido, desvairado, critico e irmão mais velho.
Muito obrigado meus amigos irmãos, vocês merecem.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Eu, você, nós...

Minhas mãos,
Tuas mãos.
Meus olhos,
Teus olhos.
Meus braços,
Teus abraços.
Meus beijos,
Teus devaneios.
Meu clamor,
Tua resposta.
Minha saudade,
Tuas memórias.
Meu silêncio,
Tua voz.
Minha ausência,
Teu calor,
Minha raiva,
Tua ira.
Minha demora,
Tua ansiedade.
Minha distância,
Tua verdade.
Meu começo,
Meu meio,
Sem fim.
Eternamente assim,
Eu, você, nós.

Sonho

Eu queria calar meus lábios e minha alma, despistar por um momento os sentimentos e a saudade, mas não consigo, pra ser sincero, não quero.
Te tenho aqui do meu lado, perdida no meu abraço e sem querer sair, nossos pecados ecoando pelo vazio do meu coração, sonho com tuas mãos preenchendo o vazio das minhas, nossos dedos se entrelaçando enquanto um belo beijo é dado, nada fala mais alto que o meu coração estúpido, quero crer que o tempo vai correr rápido durante os momentos que você não está aqui, mas ele só engatinha e faz zombação da minha alegria de pensar no teu existir.
Eu não quero e não vou te perder, vou te ganhar a cada dia, noite e no fim, seremos dois alucinados vivendo a vida, hoje te dedico o castanho dos meus olhos e o sorriso que é teu há muito tempo.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

O par que não conheci.

Nós nos perdemos numa curva qualquer dessas que a vida impõe, andando de mãos dadas e de repente sem nada ao lado.
Estou tão perdido e maltrapilho que os olhos alheios me fitam com desprezo, é cedo, sinto os raios quentes do sol sobre a superfície, mas eles não penetram a escuridão do meu eu.
Pensei em ficar parado até você voltar, pensei em dormir um pouco pra você me acordar, deitei no chão da sala, toquei um pouco de guitarra pra você sonhar, mas você não estava lá.
Queria uma pista tua, qualquer sorriso, qualquer abraço, qualquer abrigo ao teu lado, Meu Deus! Tô tão perdido que nem sei onde ir, onde parar, onde dormir, com o que sonhar, apenas sigo por caminhos que o vento sopra, meus olhos se esquivam das belezas, ou, elas se esquivam do meu olhar.
Encontrei aqui e acolá alguém que segure minha mão, mas nenhuma dessas mãos tem o dom de confortar meu coração, às vezes penso que você vai entrar pela porta e beijar a ponta do meu nariz de novo, deitar sua cabeça no meu peito e procurar repouso, me contar sobre teu dia, teus problemas, sua vida, tudo indo e vindo, no nosso ritmo, então eu me dou conta de que estou sozinho, fantasiando minhas dores e meus amores, mas não perco as esperanças, sei que um dia você virá, seja mais cedo ou mais tarde, estarei aqui continuamente à esperar o par que não conheci.

O Silêncio em mim.

Então é isso? Termina assim o dia? Escrevendo sobre o próximo dia que acorda com um sol dourado que não ilumina minha escuridão?
Não tente entender os devaneios de uma mente sem coração, sou um coração sem racionalidade alguma, toda a pureza e tristeza flutuando por trás dos meus óculos, reinando absolutos no castanho dos meus olhos.
Hoje eu acordei cedo, estalei os dedos e gritei bom dia pra ecoar dentro dessa casa vazia, me ajoelhei como um servo das dores e pedi pra que o azul do céu mais uma vez exorcisasse os demônios de minha noite anterior, a raiva já nem influência mais, aprendi a viver revolto em um mar de calma, eles fingem que me amam, eu finjo que acredito. O silêncio em mim que reina bandido, só carece de uma dose de adrenalina e um trago de nicotina, talvez dois dedos de tequila e um sorriso de bom dia, mas já não sei se isso é real ou utopia, fantasias à parte, estou aqui derrotado.
Ela sempre pediu impacto em sua vida, alguém que fizesse o coração dela disparar, eu o fiz, mas ela não me quis, isso só me leva a crer que eu estive certo, amor não existe, é tudo uma grande fatia de torta bem enfeitada e recheada com dor. No fim, tudo é indigestão e eu? Eu acabo (ou começo) no meu mundinho de sexo, drogas e rock n' roll.

domingo, 16 de agosto de 2009

Amor, te amo!

Você me deixa largado no sofá, entregue aos meus suspiros e sonhos enquanto se vai e leva o melhor de mim.
Não sei exatamente em que curva dessa relação eu me perdi, mas sei exatamente onde me achar, sei que ao teu lado deixo tudo passar, o tempo, o vento, o olhar alheio, sei que contigo tudo estará certo e nada me antigirá, afinal, meu pensamento é teu em qualquer lugar, em qualquer desejo.
Se hoje me perco em sonhos, devaneios e nas 24 cartas não enviadas, amanhã me perderei nos braços, nos teus lábios, olhos e voz, então espero que meu amor vá sempre veloz, que ele viaje pelo vento e encontre você calma enquanto lê seus livros do Paulo Coelho, eu ainda te guardo na melhor parte da minha imaginação, sei que você sabe que é teu o meu coração, mas ainda sim só serei 100% completo no dia que teus mistérios e os meus se encontrarem, e juntos, se solucionarem.
Amor meu, não esqueça de mim, não perca meu zêlo em meio à poeira do tempo e o abismo da distância, eu sou teu hoje, amanhã e sempre, não pretendo ser de mais ninguém, no frio, no calor, dia nublado, ou, cheio de cor, estarei aqui, esperando, sonhando e sorrindo para teus sonhos e teu amor.
Amor, te amo!

sábado, 15 de agosto de 2009

Minha alma

Minha alma não calada nesta manhã,
Profere ditos profanos contra a alma humana,
Repele o amor não correspondido,
À beira do precipício, me sento e sinto,
Vítima e bandido, compartilhando,
Dividindo o mesmo corpo, mente e alma,
Blindado pela dor, munido de rancor,
Um mar que nunca se acalma.
Harpas e violas, canções de amor,
Sem amor algum.
Minha alma sem estrada,
Uma alma sem eira nem beira,
Uma alma que anseia
Por outra alma.

WARMNESS ON THE SOUL

AVENGED SEVENFOLD

Composição: M. Shadows

Your hazel green tint eyes watching every move I make
And that feeling of doubt, it's erased
I'll never feel alone again with you by my side
You're the one, and in you I confide

And we have gone through good and bad times
But your unconditional love was always on my mind
You've been there from the start for me
And your love's always been true as can be

I give my heart to you
I give my heart, cause nothing can compare in this world to you

And we have gone through good and bad times
But your unconditional love was always on my mind
You've been there from the start for me
And your love's always been true as can be

I give my heart to you
I give my heart, cause nothing can compare in this world to you

Então fica aí uma das música mais lindas que eu já ouvi.

Charme!

Charme, puro charme, olhar femme fatale e unhas vermelhas em contraste com lábios carnudos e pintados de batom cor de prata, olhos medrosos e acuados maquiados de um contorno erótico egípcio, um corpo nem tão magro e nem tão gordo, vestido em um vestido colado e que brilhava noite à fora, parecia uma puta vagando pelas ruas, mas era mais que isso, ou menos até, ela era o enigma do século, o "mal me quer" mais sedutor que eu já conheci.
Atravessou meu caminho numa caminhada encatada, deixou aquele perfume suave e sedutor no ar, entre inocentes e criminosos ela andava, ostentada pela luz própria de uma alma sem começo, nem meio, tão pouco fim.
Meu Deus! Me diga o que aquele corte chanel esconde? Ela não tem resposta, mas não faz mal, eu não tenho uma pergunta pra ela, parte da mitologia de uma vida sem sentido, perdi meu rumo, minhas fantasias e minhas alegrias e tristezas em meio segundo, amigo me segure! Não me deixe voar em rumo ao "sei lá onde", quero estar aqui ainda pra ver a noite acabar, seja minha esfinge, me ofereça perigo, abrigo e amor.
Meus olhos fechados se perdem no teu corpo e eu não tenho pra onde correr, aquele beijo que me roubou todo o ar e um pedaço da minha alma foi o coringa do jogo de sedução daquela noite, era a encarnação do charme, nem tão boa, nem tão má, nem tão inteligente, nem tão burra, nem tão assim, nem meio mais, era apenas charme de verdade.

as 10 coisas que eu ADORO em você.

1- Adoro a forma como você acorda sorrindo pra mim com aquela cara de sono.
2- Adoro a sua dicção e a forma eloquente que você defende sua opinião e me faz calar.
3- Adoro quando você chora e diz que não é nada, mas mesmo assim, você vem e me abraça.
4- Adoro quando você se perde em devaneios e acaba se achando nos meus beijos.
5- Adoro quando você é intransigente, mesmo se contradizendo você não muda de opinião.
6- Adoro como tuas mãos vão de encontro às minhas no fim do dia.
7- Adoro como sussurra no meu ouvido quando o nosso fogo queima nos lençóis.
8- Adoro a maneira como você dirige, sempre sorrindo e fazendo charme pra fotos.
9- Adoro quando você me liga e diz que eu faço falta e admite quem é mesmo o dono de quem.
10- Adoro quando você estaciona sua vida na frente da minha e nos perdemos em olhares insanos e sem compromisso.

Tudo me traz você

A última chance de fazer tudo acontecer indo embora à medida que você come a porção de fritas, você reclama do quanto sofre justamente por não saber sofrer, me manda flores e faz o papel de homem da relação.
Você nunca sabe o que fez de errado, se prende a uma filosofia barata e bandida vendida pela mídia, sempre deita comigo com um personagem diferente da novela das 20:00, isso me assusta pois ao fim de tudo, tudo me traz você.
Já cantava Leoni sobre as 50 receitas que eu uso pra tentar te esquecer, mas o que enxergo além de perigo sedutor? Você chora e me comove com seus dicursos, mas se contradiz quando me ensina que ninguém ensina nada a ninguém.
Seu mundinho é tão diferente dos traços que fazem meu próprio caminho, então eu repito que você reclama tanto porque não sabe sofrer, vai tentando ser a princesa das baladas com seu castelo de alucinações, enquanto eu espero você em casa lendo suas poesias, haicais e cartas esquecidas e mofadas, mas você sempre diz que esse é o paraíso, sempre diz isso com aquela cara de moça ferida e sem força.
Só respirando muito fundo pra vencer sua magia bandida, eu não quero esse seu céu vendido, prefiro meu inferno amigo e acolhedor, mas se eu me afasto sinto falta do teu toque e do teu falar fútil, o que vai deixa marcas e faz falta, então eu entendo que te odiar é a única forma de continuar te amando, porque no final, tudo, tudo me traz você e tudo que quero é conhecer além do perigo.

Despedida de Maria

Maria não se vá! Não deixe o apartamento ao relento, pare de chorar, corte o cabelo e aprenda a fumar.
Maria nao se vá! Se perca nos dedos de qualquer amante mal amado, leia poesia de segunda categoria, seja extrovertida, não perca mais chances de se perder na vida.
Maria não se vá! Espere um pouco mais, leia um livro e fique em paz, mas não se vá, não deixe seu papagaio falando sozinho, não deixe o carpete morfar em manchas de vinho tinto.
Maria não se vá! Fique mais um pouco, descubra no espelho o tesouro que você leva em si, fique Maria, seja sua, minha, seja de todos nós, mas não se vá Maria!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Há bares que vem para o bem

Vaguei por ruas e mais ruas enquanto as luas daqueles dias quentes iam pra frente sem olhar pra trás.
Parei num bar aqui, ali e outro acolá, no primeiro pedi uma dose dupla de conhaque, no segundo bebi tequilla até me sentir besta o suficiente pra chorar, mas no terceiro, bebendo whisky num copo quadrado com dois cubos de gelo, foi quando lembrei que homem não chora.
Cheguei aqui sentindo as suas unhas arderem na superfície da minha pele, as marcas que elas deixaram foram enquadradas por lembranças que insistem em me acompanhar noite à fora e copo a dentro.
É madrugada e os rifes de guitarra ainda estão acordados no som do carro, no porta-luvas achei aquele óculos de sol que você usava pra tirar fotos de noite, eu ri um pouco, mas guardei novamente e decidi leiloá-los até que alguém pague pela minha dor de lembrar a forma como você me domou e me fez pedir perdão.
100, 120, 140km/h e nenhum poste no caminho pra entrar na minha frente, que vida de largado, vagabundo e frustrado. Não lembro quando vim parar aqui à beira desse abismo com o carro parado e aquela garrafa de Cabernet Sauvignon pela metade, foi-se o glamour, a farra, o luxo e a luxúria mas a noite não acabou, nem as lembranças dos teus beijos meu amor.

Só por hoje.

Só por hoje me deixa ser aquilo que nunca fui, não sou e não vou ser, me deixa ninar tua insônia nos acordes das cordas acordadas do meu violão.
Me deixa te ver sorrir dos meus devaneios bandidos e das curvas imperfeitas do meu rosto.
Só por hoje me deixa achar que vai ter volta, que vou poder olhar pra trás e ainda te abraçar, me deixa fingir que não chorei, não choro e talvez um dia vá chorar.
Me deixa fingir que sou bandido e roubei teu coração, só por hoje me deixa ser rídiculo, falar francês e terminar nossa conversa em inglês.
Só por hoje me deixa pensar que vou te encontrar ainda naquela esquina, vou pro bar mais tarde assim que o mês que vem chegar, até lá, ainda me diga que vai estar sempre aí pra mim, falando, sonhando, recordando e esquecendo de tudo que tem que esquecer, quem sabe talvez, as memórias fluam pro teu sangue e eu finalmente faça parte de ti, mas tudo isso só por hoje.

Ainda sou teu.

PORRA! Tem dias que a noite é foda, hoje me peguei lembrando das vezes em que te prometi em casamento, acabou tão rápido que nem sei se foi mágica ou só trapalhada de dois idiotas que se cruzaram por aí pela vida.
Acordei tão cedo hoje, há tempos percebi que você está linda, muito mais que antes! Mas calei. Seus sonhos vibram, sua volúpia é sem tamanho. Ainda lembro do meu cheiro ruim depois de tanto caminhar só pra te encontrar, mas sei que valia a pena, por que deitava no teu colo e tudo era calmaria, mas hoje sou temporal, esqueci como digo "eu te amo", me perdi tentanto tentar te esquecer, mas ainda lembro de todos nossos planos, sei que o tempo passou, mas tô de pé aqui, sei também que não sou quem eu era desde a última vez que te vi, mas sei também que estou mais temperado e mais chato também.
Ontem fiz um show, cantei na praça e ganhei aplausos, aquela saia rodada e florida passou por mim me lembrando do teu ar de "garota de praia". É só um sonho, mais um em meio a tantos, porém, o único que continuo lembrando e não vou perder de vista nunca.
Até lá cresça, invente, reinvente-se, meus ouvidos afinados estarão sempre aqui pra ouvir seus chamados para nossas conversas demoradas noite à dentro e, quando a manhã beirar por detrás daquelas nuvens, você vai entender que a corrente dos sentimentos ainda está firme em mim, apenas foi deixada de canto junto com aqueles sonhos.
Hoje canto desafinado e corrompido, mas basta você me chamar e sei que tudo será como antes, teto de brilho de um instante do céu, clareia a água e me mostra que a vida não é tão ruim como meus olhos contam ao meu coração.

Promessas, sonhos e decepção.

Promessas não são dívidas, sonhos não são vida, você não é meu amor, por que não disse antes e me evitou sangrar?
Teu abraço ainda encaixa no meu? Teus sonhos ainda se perdem nos corredores da UFAM? A noite nunca tem fim, não quando viro em um copo todo esse goró! Minha cama é um caixão, meu caixão será minha cama, manda mais uma dose que eu quero finalizar sem perceber que eu dei o fim.
Não olhe pra trás, não diga mais nada, você sabe que nunca dará em nada, então me deixa seguir sozinho, pois, talvez, este sim seja meu único destino, me perder sozinho no labirinto de mim mesmo.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

HOMEM NÃO CHORA!

HOMEM NÃO CHORA
Composição: Frejat / Alvin L.

Homem não chora
Nem por dor
Nem por amor
E antes que eu me esqueça
Nunca me passou pela cabeça
Lhe pedir perdão
E só porque eu estou aqui
Ajoelhado no chão
Com o coração na mão
Não quer dizer
Que tudo mudou
Que o tempo parou
Que você ganhou

Meu rosto vermelho e molhado
É só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe
Que homem não chora
Esse meu rosto vermelho e molhado
É só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe
Que homem não chora

Homem não chora
Nem por ter
Nem por perder
Lágrimas são água
Caem do meu queixo
E secam sem tocar o chão
E só porque você me viu
Cair em contradição
Dormindo em sua mão
Não vai fazer
A chuva passar
O mundo ficar
No mesmo lugar

Meu rosto vermelho e molhado...

"E então permaneci acordado, lembrando dos dedos que você deixou ruindo ao longo de todo esse tempo pela casa, também pensando no recomeço, nessa minha nova paixão escondida sem eira nem beira."

Curtam! Recomendo.

Sem inspiração

Respirar fundo e fungar diante do papel, maldito cordel que me deu tanto sobre o que escrever e não me deixa passar pro papel.
Me perco em devaneios enquanto os sonhos voam do varal, o sol não vi mais, nem me dei conta de quando escureceu no meu mundo, são 2:00 da manhã e 2 milhões de dúvidas na mente, frio descontente me protegendo do calor infernal.
Quando me tornei tão mal em expressar sentimentos? Quando esqueci de dizer que te amo? Que raiva dá da vida, nada existe sem classificar.
Minha vida bandida, escondeu de mim a habilidade de conquistar, essa talvez tenha voado com os sonhos que estendi lá no varal, vento bateu que nem senti, só me dei conta quando os sonhos não estavam mais ali, gritei palavrões, pedi perdões de deuses que nunca ousei admirar, mas não vejo saída, meu discurso no olhar precisa sair em palavras e gestos.
Naquela frase perdida e sem sentindo está tudo que você deve saber, estou agora sem inspiração, escrevendo errado, sem nenhuma preocupação além de transcrever as linhas do meu coração pra essa página eletrônica, quem sabe você leia e entenda que eu não sou um idiota por mal, mas sim por mal saber como dominar o domínio que a timidez exerce sobre mim quando estou perto de ti.
Hoje ouvi tua música preferida, ela é linda, muita linda!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Eu te amo!

Esperar é vencer o tempo que não tem tempo pra amar, mas me inveja por saber que quando estou contigo ele não faz efeito.
Por todo o zelo que tenho por ti, me diga que vem hoje aqui, dá um toque no meu celular, diz que você não vai aguentar passar o dia sem me desejar e me ter bem perto de você. Então, quando chegar, se amarre em meus braços e não saia por nada! Eu estarei aqui esperando você chegar pra contar sobre seu dia, seus problemas, seus medos, seus receios, quero ver você reclamar das minhas reclamações, dizer que eu sou mandão, mas depois de gritar tanto, se aconchegar do meu lado e dizer que me ama.
Eu não vou esperar um minuto a mais pra dizer que EU TE AMO, mesmo não fazendo o tempo engatinhar da forma como eu desejei, eu te amo!
Vem amor, deita do meu lado e deixa a música tocar enquanto as nossas pernas dão um nó e os dois corpos se tornam um só, então deixa eu te contar meu sonho no final e dizer quão mal eu fico quando você se vai.
Quem sabe no fim, quando nenhuma palavra mais encaixar nessa minha vida bandida, eu tenha a sorte de sentar do teu lado bem velho e folhear nosso álbum de recordações durante aquelas tardes malucas.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Despedida de Agosto


Era um novo mês de uma nova vida, com novos planos e uma nova filosofia, arrumou as malas e partiu sem pensar. "É hora de Agosto, vamos recomeçar!", virou de costas para o espelho, deixou pra trás até aquela imagem do menino franzino com cabelo arrepiado e óculos amarelado pelas sentenças do tempo.
Pensou em tudo que vivera, nos dedos que o tocaram, nos amores não correspondidos, nas mágoas reprimidas, nas palavras escondidas em seu coração, deixou pra trás até um amor que escondia de si mesmo, entendeu então que não é triste e nem feliz.
Tanto faz que rumo o vento soprará, cortou o cabelo, aprendeu a fumar, disse que abandonou também a intimidade com as palavras, mas em sua mochila levava papel e caneta para escrever o que significa ser livre. Muito é pouco e tanto faz se é certo ou algo mais, em meio a crise dos paradigmas, decidiu ser seu próprio herói, talvez fosse fácil uma vez que, ele mesmo era seu vilão particular.
Coisas a serem ditas no discurso de um olhar, mas ninguém parava pra entender a vida, era sempre tanta correria, mas ele não! Mochila na costa, lembranças mortas, coração na mão, bolsos vazios e cheio de motivação, não tinha muito pra dizer, mas tinha muitas lições pra passar, era enfim o que sempre desejou, se tornara finalmente, a própria vontade de sonhar.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Oração de um romântico.

Divino Sentimento ímpio e arrebatador.
Rogo-te, assuma-me por completo
Assopre vida em mim, ponha fogo
em meu peito.
Faça do sereno o despertar da minha vida.
Divino sentimento ímpio e arrebatador.
Dê-me até dor, pois só oro para obter o tal do
amor.

domingo, 9 de agosto de 2009

Os três últimos pontos no fim da frase

Silêncio no quarto. Eu e minha solidão dormindo acompanhados da tristeza e do medo. Me lembro que tinha um futuro promissor, não sei quando o perdi, mas sei que deve ter sido melhor assim, já que não me imagino vivendo outra vida e nem comendo outra coisa senão patitas e comida enlatada.
Mas vivo feliz, é! Vivo sorrindo e fazendo piada, dando risada por aí, disfarçando a solidão e o desespero de amar mas não ser amado, de existir mas não ser percebido.
Saudade mesmo dos velhos tempos, onde corria solto e não sabia que solidão existe, morte ao pesadelo, ou até os sonhos mesmo, que me deixam em eterno estado de torpor, sufocando na própria dor enquanto o tempo se esvai nos instantes em que a lua nasce.
Agora estou assim, meio de banda até pra mim, de ovo virado, olhos fechados esperando um simples abraço, seja lá de quem for, qualquer abraço POR FAVOR! Caso contrário, me perderei nos três últimos pontos do fim da frase...

sábado, 8 de agosto de 2009

Chuva


Eu passo no compasso de um malandro, vou caminhando embaixo dessa chuva, cada gota que me toca se espalha pelo linho vagabundo do meu paletó.
No meu headfone, um rife de guitarra explode em sons psicodélicos servindo de trilha sonora para aquela dor e melancolia, em meu peito remorso e alegria disputam acirradamente por cada cm dentro de minha alma.
Então eu paro debaixo do toldo, todo molhado, sinto o vento frio transpassar o paletó, meus sapatos enxarcados me enxem de agonia, me sinto quase afogado, um pouco (ou muito) exagerado, mas acontece que sinto essa sensação.
Meu isqueiro não acende, não diferente são as idéias, sou tão vazio que nem o eco ecoa em mim, mas meu veneno não mata, ele cura, porém comigo mata, deturpa, pois não sou herói, nunca me declarei santo, nem anjo de ninguém, mas também não sou vilão e nem demônio.
Passo minutos a fio pensando em como pensar sob frio e chuva, tenho certeza de que irei gripar, mas mesmo assim sorrio, sorrio devagar no compasso dessa chuva.

Eu confesso

Confesso que eu nunca tive a coragem devida de falar o quanto seus lábios mexeram comigo naquele dia, deixei que meu orgulho me dominasse e enterrasse o que senti por ti naquele dia debaixo de sete longos palmos abaixo da minha memória, pena que ele não sabia que sete palmos abaixo da memória se encontra a alma, então aquele simples beijo inocente e breve, ficou entranhado em mim, no meu ser, no meu existir.
Confesso que eu te vejo todos os dias, teu sorriso é a minha sentença de felicidade, mas você ainda não sabe. Eu nunca tive aquela coragem de dizer que naquela despedida eu senti o teu coração batendo forte, muito forte, ele parecia que ia rasgar seu seio e ia se entrelaçar ao meu coração, eu confesso que tenho sido um idiota evitando sua presença perto da minha, isso me deixa confuso e vulnerável, mas quer saber? Eu vou te confessar! Quero mesmo é que você me veja como eu deveria estar a um certo tempo, quero que veja com seu coração e perceba em mim a mesma felicidade que encontro no teu sorriso, no teu abraço, na tua companhia, no teu afago, você é o sonho mais lindo e mais misterioso que me ocorreu, eu te confesso que tenho escondido debaixo de tanto orgulho e medo o que tenho guardado pra ti, todos os planos, todos os sonhos, tantas palavras a serem ditas, só espero que não seja tarde pra dizer aquilo que tenho tentado te dizer com meus olhos: "EU TE AMO!".