segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Solidão e oração

Meia noite, meia luz, ecoa na sala o som daquela canção country que canta a saudade, abaixo a cabeça e faço minhas preces.
Ainda lembro que corria pela rua descalço, sorrindo abertamente, uma criança eloquente, cheia de dúvidas e alguns fracassos, mas isso não ecoava como ecoa hoje, sentava na calçada e brincava de sorrir, era um jogo divertido que só era jogado por amigos, era o começo dessa jornada.
Tragédia e comédia, um romântico numa estrada solitária, escrevendo memórias póstumas e prévias, brincando com as palavras, ou até, sendo brinquedo delas.
Daqui do alto, nesta nuvem em que me encontro, olhei pra baixo e não senti medo de cair, estava pois, feliz, seguro em braços que nunca me abandonaram, era uma luz confortavel e quente, que espantava da mente todos os segredos obscuros e os medos endemoniados, era Deus ouvindo minhas preces e proseando comigo.
Querido Deus, eu só peço para que a guarde em seus braços enquanto eu não estiver por perto, é díficil achar uma razão pra justificar, mas todos nós precisamos de uma pessoa em que podemos acreditar e também ser sinceros, eu estou cansado e me senti só por um bom tempo, mas finalmente achei alguém que traga em seus olhos todos esses significados, eu sei que não sou tão forte quanto aparento ser, mas use minha força para afastar os males para longe dela, um mistério que não se revela, uma luz apagando na escadaria da capela, estrelas cadentes, coração carente, versos bagunçados e desorganizados, sentimentos sem regras nem padrões, o senhor entende minha dor e sabe como pará-la, então Deus, por favor, eu só lhe peço que a guarde em seus braços enquato ela ainda não me conhecer, pois tudo que mais desejo é contar a ela que eu existo.

sábado, 29 de agosto de 2009

Muralha

Você sente o que o mundo te passa? Você chora as surras que o mundo te dá? Ou você aprendeu a parar de cair e cansou de fraquejar?
Olhei pro lado e vi um louco que era mais racional que eu, estiquei os braços pro céu e quase senti o abraço de Deus, sorri e chorei, cantei e calei, amei e odiei, que Deus me perdoe, mas pensando bem, odiei muito mais do que amei.
É Sábado, o amor prevalece, vamos nos divertir cantando "Rock with you" do rei, deixa o mundo desabar enquanto eu me reestabeleço na pista de dança.
Então quando eu acho que o mundo gira em torno de você, percebo que você é só uma nuvem grande que passou pela minha vida e fez sombra, mas é hora de sentir o calor novamente, passe a sabor do vento e sinta ao relento da noite a falta que te faz meu abraço e minhas palavras acolhedoras, diga que eu não faço falta, grite se quiser, mas no fim da garrafa você sabe que o amor que você rejeitou estará lá, ecoando no vazio do copo, perturbando esse seu mundinho ensolarado.
Você pode me dizer o porque quer ser tão forte, ou pode apenas calar e deixar sua cara séria denotar essa sua força, mas seus olhos fitam o vazio enquanto tremem no frio da solidão, você sente falta de algo, mas está tão perdida que nem consegue enxergar.
Eu poderia voltar atrás e te estender a mão, poderia dar a você as belezas do mundo e te mostrar que o pai é supremo nas criações perfeitamente elaboradas, mas você só quer ficar sozinha, em volta de todas suas defesas, cansei de tentar escalar esses seus muros altos, mas neles deixei escrito um recado: "estou aqui!"
Quem sabe um dia, meio que de passagem, você não leia e perceba que aquela rima eu fiz pra você, quem sabe até você não perceba meu recado na parede e tenha sede de me procurar, até lá, deixo a pista de dança me confortar.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Sax sexy e o sexo com a solidão

"Eu quero é viver em paz, por favor me beija a boca, que louca, que louca..."

Djavan - Fato consumado.

É fato consumado a paz de espiríto que Djavan me trás nos acordes animados de sua canção, então o sax sexy embala o meu sexo com a solidão da madrugada.
:)

O que há em mim.

Composição: J. Erick

É sempre assim, você foge e me deixa aqui
Plantado sem saber o que fazer, sem saber pra onde ir
Noites a fio e um desafio a vencer
Ainda estou aqui, esperando pra ver o que vai ser.

Eu passo no compasso do tempo
Dançando a valsa que toca o vento
Espero ainda vir o sereno
Que sereno responderá minha dúvida

REFRÃO
Só quero saber se vai caber em você o que há em mim
Só quero entender se vai perceber que te quero assim
Largue suas defesas, cartas na mesa, pois este não é o fim
Eu só quero saber se vai caber em você o que há em mim.

Eu sou um guerreiro, astuto, asteca, espartano, sou de todos os cantos
Vim do céu, da terra, do ar, buscando uma batalha pra enfrentar
Eu sou o começo, meio e fim, coberto por vários mantos
Vim de qualquer lugar, só pra saber se está disposta a me amar.

REFRÃO
Só quero saber se vai caber em você o que há em mim
Só quero entender se vai perceber que te quero assim
Largue suas defesas, cartas na mesa, pois este não é o fim
Eu só quero saber se vai caber em você o que há em mim.

Redento ao charme de Eros

Em um lugar qualquer com ares búcolicos eu te encontrei, relaxada em meus braços, no ritmo dos meus passos você andava, totalmente despreocupada com o que o mundo irá pensar, falar ou rotular.
Durante aquela noite, a história não era sobre você, ou, sobre mim, tratava-se de duas almas em um amor só, consoante os planos do destino.
A luz da lua abençoava os teus lábios e o teu corpo, que em meio a tanto frio, investia-se contra o meu, encaixado em meu peito, envolto em meus braços, então tua boca era minha e minha boca era tua, aquele seu batom vermelho-sangue que contrastava com o verde dos teus olhos e enaltecia a tua pele branca e serena, dava-lhe um ar de vampira, ou uma feiticeira dessas que te deixam do avesso com o maior dos feitiços, o feitiço de eros, aquele que te esconde atrás do meu sorriso e te faz rainha do meu olhar.
Meu semblante calmo se perde em meio aos nós que o vento dá entre a gente, são arrepios, calafrios e muito calor espantando o frio, suas mãos em meu peito dão a impressão que eu sou o cavaleiro que defende a donzela, esse teu coração astuto, que bate forte sem medo de ser percebido, me faz sentir que sou dono do mundo, então meio que mudo, dou-lhe o domínio do mundo na palma da minha mão.
Uma voz tão limpa que ecoava em meu interior como uma melodia, assim me sinto forte e, a cada vez que te aperto mais em meu abraço, mais forte fico.
Não é uma fantasia, são milhas de distâncias que não fazem diferença, são unidades de tempo que não tem importância, pois a cada suspiro e a cada aperto no travesseiro ou nos lençois dessa cama que ainda não deitei, são sentidos aqui, onde o caos repousa e a dor ecoa, mas isso por hora, pois, com a chegada da aurora virá teu sorriso, trazendo-me a paz e a liberdade, então seja minha, só por hoje, seja a minha vampira, feiticeira, amiga, esposa, garota, minha sina, minha redenção, meus grilhões de saudade, minha chave de liberdade, só por hoje tenha em si, este grande pedaço de mim, então ao fim de tudo, apenas sorria, teu silêncio sempre fala mais do que minhas palavras e teu sorriso sempre se torna o ponto final das minhas cartas.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Obrigado!

De: J.Erick.
Para: Amiga Jéssica Naiany.

Três brindes a um sorriso do tamanho do mundo e um coração do tamanho do universo, um confessionário dos meus pecados, a redenção das minhas dores, a bússula das minhas dúvidas, ela é a alma que me orienta, pessoa que salienta e enaltece a esperança de que eu posso ser uma pessoa melhor.
Te adotei como amiga, prima, irmã, uma vida claramente ligada à minha, pois teu incentivo é necessário e tuas palavras são as gotas de chuva que lavam minha alma quando eu acho que tudo se perdeu no imenso turbilhão desse mundo, quando acho que agi demais, você me prova que agi de menos e quando acho que fiz de menos, você me mostra que fiz demais.
Meu freio, meu frio, meu calor, cala a dor e a angústia, privilégio abençoado de ser prestigiado por alguém tão parecida comigo, então ao fim de tudo, percebo que esse mundo ainda tem salvação, pois pessoas como você sempre me trarão fé.
Amigos como você para todos nós!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

De bem

Meia noite, meio escuro, meio claro, um pouco de barulho, todo absoluto o sereno se impõe sobre meu ser, toca minha tez clara, aconchega meu coração irrequieto, palavras, palavras e palavras, todas soltas, dançando valsa no ar.
Montanhas e rios em mim, florestas imensas, mistérios obscuros, sou príncipe, dono de tudo, dono do mundo, dono do meu mundo.
Seta rápida que rasga o meu reino, um tiro certeiro no núcleo da minha alma, envenena meu coração com tanto amor, que mal sei quem sou, mas sei que amo.
Era um tango sedutor, um samba de salão ao ar livre, era sem noção, sem limites, uma vida cheia de cores, pintando o meu mundo, rosa cinza que agora é vermelha, graceja e aquece, sou eu quem te merece, és tu quem me tem.
Diamantes que mentem o amor, presos a dedos pela vaidade, não são nada perto do teu sorriso, da tua voz e pele dourada, quem sou eu pra proclamar ao mundo tua existência? Quem sou eu pra sofrer por carência? Mares nunca antes navegados, totalmente calmos pelo meu acaso, acaso de paixão sem intenção, acaso de dor que não dói, só dúvida.
Repita que eu sou todo errado enquanto passa o resto da noite ouvindo meus conselhos, então quando o marasmo finalmente for conquistado, saberemos que nossos sonhos foram realizados.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

É TUDO FALSO!

É tudo falso, brincadeira do acaso, uma mentira bandida, um sorriso forçado, uma lágrima fingida, É TUDO FALSO!
São perdões nunca dados, são amores nunca vividos, dores nunca sentidas, cigarros nunca acendidos (ou nunca apagados), porres tão sóbrios que me sinto uma brisa sã e rasa, que passa pela estranheza do dia, da tarde, da noite e repousa cansada na madrugada.
Cuspo no asfalto, no espelho, arranco cabelo em surtos epicos que tem até uma ponta de erotismo, um ritual sem sentido, totalmente fora do normal, mas o normal é um enigma, uma incógnita totalmente atípica, meu suor embebeda o medo, transtorno obsessivo compulsivo com uma dose de whisky com dois cubos de gelo, perdão! Eu menti pra você? Quem sabe? Nem sei, você viu que tentei, mas você só se me viu cair penhasco abaixo, enquanto eu esperava você agir, mover um dedo que fosse, então eu me sentiria apto a voar, mas foi tudo falso, tudo fingido e mal acabado, entregamo-nos à conclusãos, prévias de preconceito, aquela felicidade virou anseio, que virou medo, que virou revolta e repulsa, minha falta de coragem causada pela tua angústia de ser mulher de verdade.
FOI TUDO FALSO! Eu torno a afirmar, grito, escrevo, aviso, foi e é tudo falso, poetas fingidos! Sentimentos maltrapilhos e totalmente escarrados, forçados a serem sentidos só pra impressionar quem não se impressiona nem com si mesma.
Foi e é tudo fingido, a única sinceridade está na culpa, na culpa de ser bandido e de ter morrido sem antes mesmo ter nascido na tua vida, minha imagem agora será esquecida, meu remorso se eleva, minha dor se alegra com a vitória, mais uma vez de volta ao berro de socorro e aos avisos alarmantes de que TUDO É E FOI FALSO.

Papel sujo e rasgado

Papel sujo e rasgado
És o meu melhor amigo
Abriga minha dor
Oferece-me teu conforto
Dê-me o esplendor
Sou teu amante
Sou teu primo
Sou teu protetor
Vislumbrado com o acaso
Escrevo passo a passo
O que sinto sem pudor
Então amor é dor
E dor é amor
Não há justiça
Onde já há o justo
Rogo-te papel sujo
Cura minhas feridas
Devolva minha vida
És meu herói
És meu carrasco
Confessionário de amor
E de pecados
Papel sujo e rasgado
Apenas guarde em si
Tudo isso que há em mim.

Súplica de um nômade emocional

Mente árida onde habita o esplendor, amparai em teu oásis a minha ignorância e estupidez.
Habilmente me põe a dormir, deixe-me repousar em sua tez dourada, à sua sombra admirar o horizonte e poder beber de tua fonte.
Hei de recuperar-me e fortalecer-me, hei de sorrir novamente, onde me escondo é onde me acho, longe de qualquer miragem, sem margem para o acaso.

domingo, 23 de agosto de 2009

Mudança de Planos

Composição: J. Erick

Hoje era o dia de sair e beber
Morrer e nascer mais uma vez
Hoje era o dia de me perder na rotina
Cair novamente na mesma ladainha
Hoje era pra ser sempre igual

Mas hoje não foi isso, hoje não foi triste
Hoje eu te encontrei
Hoje eu me apaixonei
Hoje não foi igual

Eu acordo com os passos não dados pela casa
Ouço a tua voz silenciosa no nosso quarto
Sinto os abraços não trocados
E o tempo é juíz do amor
Mas o amor é mais justo que o tempo

Mas hoje não foi isso, hoje não foi triste
Hoje eu me encontrei
Hoje eu te apaixonei
Hoje não foi igual

Os copos sujos e as pontas de cigarro
O silêncio raso de um amor profundo
A saudade clara de alguém obscuro
Nesses olhos verdes indefinidos
Nos cabelos pretos e azuis
Nesse toque sem sentido
É onde eu achei o meu sentido pra acreditar.

Mas hoje não foi isso, hoje não foi triste
Hoje eu te encontrei
Hoje eu me apaixonei
Hoje não foi igual.

Música de minha autoria.
:)

sábado, 22 de agosto de 2009

Calmaria


Tá tudo tão normal que eu até estranho, as cores estão tão vivas e os sorrisos tão sinceros que parece a calmaria que precede a tempestade.
Hoje senti falta de perder a razão numa discussão com alguém qualquer, senti a falta de ser o alguém de alguém qualquer, alguém que traga no sorriso a minha alegria e nos braços o meu abrigo, quero encontrar o céu nos teus olhos e as estrelas no teu beijo, quero deitar ao som da tua voz e rir com o percorrer das cócegas que você faz pra não me deixar dormir.
A cada noite que cai eu penso em explodir, resmungo pras paredes o quanto o mundo cobra de mim e o quanto ele me dá, peço pra não desejar mais que o sonho e a força pra realizá-lo pois sou homem, sou bizarro, mas sou homem!
Você poderia me dizer o porque escolheu ser assim, eu poderia te dizer que já fui assim, nós poderiamos sorrir e ir embora de mãos dadas, mas você se perdeu em si mesma, agora eu não sei o que sinto por você, não quero mais nem saber o que você tem a dizer.
Tente não acreditar no que te falam por aí, esse é um erro seu, não meu, você sabe que ninguém ensina nada a ninguém, então não perca tempo comprando filosofias baratas feministas revolucionárias, faça sua filosofia com suas próprias mãos e experiência, pare de enterrar com sua dor e sua amargura os sonhos de uma menina que quer achar o príncipe encantado, pare de dizer em tom arrastado que você não vai mudar, porque mais cedo ou mais tarde você muda, então quando mudar, espero que não se arrependa, eu te ofereci o mundo na palma da mão, já esperava que você recusasse e corresse atrás do seu próprio mundo, é o correto a se fazer, mas não esperava que você fosse se esconder do meu mundo, não pensei que você não tiraria proveito de nenhuma nuvem branca dele com teu nome, pois ele foi feito em cima daquilo que sinto, ou, sentia por ti, desse quase amor só restou quase dor, nenhuma amizade e nenhuma verdade, as percas que nunca foram ganhas, então das nossas lembranças só restou um abraço, um único abraço trocado onde pude ser teu e você pode ser minha, a mesma lembrança que hoje vaga no ar solta, entre o cheiro de bebida e a fumaça do cigarro, a mesma lembrança que vai perdurar sempre nessa sala de calmaria.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

A cesta básica da amizade.

A cesta básica da amizade não exige presentes caros e nem baladas históricas, não exige roupas caras e nem aparência exacerbadamente produzida.
A cesta básica da amizade é composta apenas de sonhos, companhia, risos, alegrias e um pouco de tristeza com gosto de chocolate amargo, eu sempre faltei com isso, mas hoje entendo que o que vale mesmo é a companhia, saber que você tem com quem contar, tem pra quem contar, tem porque contar, tudo isso incluso na nossa cesta básica da amizade.
Enquanto os dias passam e o tempo se perde em si mesmo, eu tento aqui concertar meus erros, dar a cesta da amizade que devo a vocês meus vários amigos, então aqui dedico a atenção mínima que posso dar a vocês, dedico à minha cesta básica da amizade, contendo amor, companheirismo, cumplicidade, meu jeito sarcastico, romântico, gentil, doido, desvairado, critico e irmão mais velho.
Muito obrigado meus amigos irmãos, vocês merecem.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Eu, você, nós...

Minhas mãos,
Tuas mãos.
Meus olhos,
Teus olhos.
Meus braços,
Teus abraços.
Meus beijos,
Teus devaneios.
Meu clamor,
Tua resposta.
Minha saudade,
Tuas memórias.
Meu silêncio,
Tua voz.
Minha ausência,
Teu calor,
Minha raiva,
Tua ira.
Minha demora,
Tua ansiedade.
Minha distância,
Tua verdade.
Meu começo,
Meu meio,
Sem fim.
Eternamente assim,
Eu, você, nós.

Sonho

Eu queria calar meus lábios e minha alma, despistar por um momento os sentimentos e a saudade, mas não consigo, pra ser sincero, não quero.
Te tenho aqui do meu lado, perdida no meu abraço e sem querer sair, nossos pecados ecoando pelo vazio do meu coração, sonho com tuas mãos preenchendo o vazio das minhas, nossos dedos se entrelaçando enquanto um belo beijo é dado, nada fala mais alto que o meu coração estúpido, quero crer que o tempo vai correr rápido durante os momentos que você não está aqui, mas ele só engatinha e faz zombação da minha alegria de pensar no teu existir.
Eu não quero e não vou te perder, vou te ganhar a cada dia, noite e no fim, seremos dois alucinados vivendo a vida, hoje te dedico o castanho dos meus olhos e o sorriso que é teu há muito tempo.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

O par que não conheci.

Nós nos perdemos numa curva qualquer dessas que a vida impõe, andando de mãos dadas e de repente sem nada ao lado.
Estou tão perdido e maltrapilho que os olhos alheios me fitam com desprezo, é cedo, sinto os raios quentes do sol sobre a superfície, mas eles não penetram a escuridão do meu eu.
Pensei em ficar parado até você voltar, pensei em dormir um pouco pra você me acordar, deitei no chão da sala, toquei um pouco de guitarra pra você sonhar, mas você não estava lá.
Queria uma pista tua, qualquer sorriso, qualquer abraço, qualquer abrigo ao teu lado, Meu Deus! Tô tão perdido que nem sei onde ir, onde parar, onde dormir, com o que sonhar, apenas sigo por caminhos que o vento sopra, meus olhos se esquivam das belezas, ou, elas se esquivam do meu olhar.
Encontrei aqui e acolá alguém que segure minha mão, mas nenhuma dessas mãos tem o dom de confortar meu coração, às vezes penso que você vai entrar pela porta e beijar a ponta do meu nariz de novo, deitar sua cabeça no meu peito e procurar repouso, me contar sobre teu dia, teus problemas, sua vida, tudo indo e vindo, no nosso ritmo, então eu me dou conta de que estou sozinho, fantasiando minhas dores e meus amores, mas não perco as esperanças, sei que um dia você virá, seja mais cedo ou mais tarde, estarei aqui continuamente à esperar o par que não conheci.

O Silêncio em mim.

Então é isso? Termina assim o dia? Escrevendo sobre o próximo dia que acorda com um sol dourado que não ilumina minha escuridão?
Não tente entender os devaneios de uma mente sem coração, sou um coração sem racionalidade alguma, toda a pureza e tristeza flutuando por trás dos meus óculos, reinando absolutos no castanho dos meus olhos.
Hoje eu acordei cedo, estalei os dedos e gritei bom dia pra ecoar dentro dessa casa vazia, me ajoelhei como um servo das dores e pedi pra que o azul do céu mais uma vez exorcisasse os demônios de minha noite anterior, a raiva já nem influência mais, aprendi a viver revolto em um mar de calma, eles fingem que me amam, eu finjo que acredito. O silêncio em mim que reina bandido, só carece de uma dose de adrenalina e um trago de nicotina, talvez dois dedos de tequila e um sorriso de bom dia, mas já não sei se isso é real ou utopia, fantasias à parte, estou aqui derrotado.
Ela sempre pediu impacto em sua vida, alguém que fizesse o coração dela disparar, eu o fiz, mas ela não me quis, isso só me leva a crer que eu estive certo, amor não existe, é tudo uma grande fatia de torta bem enfeitada e recheada com dor. No fim, tudo é indigestão e eu? Eu acabo (ou começo) no meu mundinho de sexo, drogas e rock n' roll.

domingo, 16 de agosto de 2009

Amor, te amo!

Você me deixa largado no sofá, entregue aos meus suspiros e sonhos enquanto se vai e leva o melhor de mim.
Não sei exatamente em que curva dessa relação eu me perdi, mas sei exatamente onde me achar, sei que ao teu lado deixo tudo passar, o tempo, o vento, o olhar alheio, sei que contigo tudo estará certo e nada me antigirá, afinal, meu pensamento é teu em qualquer lugar, em qualquer desejo.
Se hoje me perco em sonhos, devaneios e nas 24 cartas não enviadas, amanhã me perderei nos braços, nos teus lábios, olhos e voz, então espero que meu amor vá sempre veloz, que ele viaje pelo vento e encontre você calma enquanto lê seus livros do Paulo Coelho, eu ainda te guardo na melhor parte da minha imaginação, sei que você sabe que é teu o meu coração, mas ainda sim só serei 100% completo no dia que teus mistérios e os meus se encontrarem, e juntos, se solucionarem.
Amor meu, não esqueça de mim, não perca meu zêlo em meio à poeira do tempo e o abismo da distância, eu sou teu hoje, amanhã e sempre, não pretendo ser de mais ninguém, no frio, no calor, dia nublado, ou, cheio de cor, estarei aqui, esperando, sonhando e sorrindo para teus sonhos e teu amor.
Amor, te amo!

sábado, 15 de agosto de 2009

Minha alma

Minha alma não calada nesta manhã,
Profere ditos profanos contra a alma humana,
Repele o amor não correspondido,
À beira do precipício, me sento e sinto,
Vítima e bandido, compartilhando,
Dividindo o mesmo corpo, mente e alma,
Blindado pela dor, munido de rancor,
Um mar que nunca se acalma.
Harpas e violas, canções de amor,
Sem amor algum.
Minha alma sem estrada,
Uma alma sem eira nem beira,
Uma alma que anseia
Por outra alma.

WARMNESS ON THE SOUL

AVENGED SEVENFOLD

Composição: M. Shadows

Your hazel green tint eyes watching every move I make
And that feeling of doubt, it's erased
I'll never feel alone again with you by my side
You're the one, and in you I confide

And we have gone through good and bad times
But your unconditional love was always on my mind
You've been there from the start for me
And your love's always been true as can be

I give my heart to you
I give my heart, cause nothing can compare in this world to you

And we have gone through good and bad times
But your unconditional love was always on my mind
You've been there from the start for me
And your love's always been true as can be

I give my heart to you
I give my heart, cause nothing can compare in this world to you

Então fica aí uma das música mais lindas que eu já ouvi.

Charme!

Charme, puro charme, olhar femme fatale e unhas vermelhas em contraste com lábios carnudos e pintados de batom cor de prata, olhos medrosos e acuados maquiados de um contorno erótico egípcio, um corpo nem tão magro e nem tão gordo, vestido em um vestido colado e que brilhava noite à fora, parecia uma puta vagando pelas ruas, mas era mais que isso, ou menos até, ela era o enigma do século, o "mal me quer" mais sedutor que eu já conheci.
Atravessou meu caminho numa caminhada encatada, deixou aquele perfume suave e sedutor no ar, entre inocentes e criminosos ela andava, ostentada pela luz própria de uma alma sem começo, nem meio, tão pouco fim.
Meu Deus! Me diga o que aquele corte chanel esconde? Ela não tem resposta, mas não faz mal, eu não tenho uma pergunta pra ela, parte da mitologia de uma vida sem sentido, perdi meu rumo, minhas fantasias e minhas alegrias e tristezas em meio segundo, amigo me segure! Não me deixe voar em rumo ao "sei lá onde", quero estar aqui ainda pra ver a noite acabar, seja minha esfinge, me ofereça perigo, abrigo e amor.
Meus olhos fechados se perdem no teu corpo e eu não tenho pra onde correr, aquele beijo que me roubou todo o ar e um pedaço da minha alma foi o coringa do jogo de sedução daquela noite, era a encarnação do charme, nem tão boa, nem tão má, nem tão inteligente, nem tão burra, nem tão assim, nem meio mais, era apenas charme de verdade.

as 10 coisas que eu ADORO em você.

1- Adoro a forma como você acorda sorrindo pra mim com aquela cara de sono.
2- Adoro a sua dicção e a forma eloquente que você defende sua opinião e me faz calar.
3- Adoro quando você chora e diz que não é nada, mas mesmo assim, você vem e me abraça.
4- Adoro quando você se perde em devaneios e acaba se achando nos meus beijos.
5- Adoro quando você é intransigente, mesmo se contradizendo você não muda de opinião.
6- Adoro como tuas mãos vão de encontro às minhas no fim do dia.
7- Adoro como sussurra no meu ouvido quando o nosso fogo queima nos lençóis.
8- Adoro a maneira como você dirige, sempre sorrindo e fazendo charme pra fotos.
9- Adoro quando você me liga e diz que eu faço falta e admite quem é mesmo o dono de quem.
10- Adoro quando você estaciona sua vida na frente da minha e nos perdemos em olhares insanos e sem compromisso.

Tudo me traz você

A última chance de fazer tudo acontecer indo embora à medida que você come a porção de fritas, você reclama do quanto sofre justamente por não saber sofrer, me manda flores e faz o papel de homem da relação.
Você nunca sabe o que fez de errado, se prende a uma filosofia barata e bandida vendida pela mídia, sempre deita comigo com um personagem diferente da novela das 20:00, isso me assusta pois ao fim de tudo, tudo me traz você.
Já cantava Leoni sobre as 50 receitas que eu uso pra tentar te esquecer, mas o que enxergo além de perigo sedutor? Você chora e me comove com seus dicursos, mas se contradiz quando me ensina que ninguém ensina nada a ninguém.
Seu mundinho é tão diferente dos traços que fazem meu próprio caminho, então eu repito que você reclama tanto porque não sabe sofrer, vai tentando ser a princesa das baladas com seu castelo de alucinações, enquanto eu espero você em casa lendo suas poesias, haicais e cartas esquecidas e mofadas, mas você sempre diz que esse é o paraíso, sempre diz isso com aquela cara de moça ferida e sem força.
Só respirando muito fundo pra vencer sua magia bandida, eu não quero esse seu céu vendido, prefiro meu inferno amigo e acolhedor, mas se eu me afasto sinto falta do teu toque e do teu falar fútil, o que vai deixa marcas e faz falta, então eu entendo que te odiar é a única forma de continuar te amando, porque no final, tudo, tudo me traz você e tudo que quero é conhecer além do perigo.

Despedida de Maria

Maria não se vá! Não deixe o apartamento ao relento, pare de chorar, corte o cabelo e aprenda a fumar.
Maria nao se vá! Se perca nos dedos de qualquer amante mal amado, leia poesia de segunda categoria, seja extrovertida, não perca mais chances de se perder na vida.
Maria não se vá! Espere um pouco mais, leia um livro e fique em paz, mas não se vá, não deixe seu papagaio falando sozinho, não deixe o carpete morfar em manchas de vinho tinto.
Maria não se vá! Fique mais um pouco, descubra no espelho o tesouro que você leva em si, fique Maria, seja sua, minha, seja de todos nós, mas não se vá Maria!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Há bares que vem para o bem

Vaguei por ruas e mais ruas enquanto as luas daqueles dias quentes iam pra frente sem olhar pra trás.
Parei num bar aqui, ali e outro acolá, no primeiro pedi uma dose dupla de conhaque, no segundo bebi tequilla até me sentir besta o suficiente pra chorar, mas no terceiro, bebendo whisky num copo quadrado com dois cubos de gelo, foi quando lembrei que homem não chora.
Cheguei aqui sentindo as suas unhas arderem na superfície da minha pele, as marcas que elas deixaram foram enquadradas por lembranças que insistem em me acompanhar noite à fora e copo a dentro.
É madrugada e os rifes de guitarra ainda estão acordados no som do carro, no porta-luvas achei aquele óculos de sol que você usava pra tirar fotos de noite, eu ri um pouco, mas guardei novamente e decidi leiloá-los até que alguém pague pela minha dor de lembrar a forma como você me domou e me fez pedir perdão.
100, 120, 140km/h e nenhum poste no caminho pra entrar na minha frente, que vida de largado, vagabundo e frustrado. Não lembro quando vim parar aqui à beira desse abismo com o carro parado e aquela garrafa de Cabernet Sauvignon pela metade, foi-se o glamour, a farra, o luxo e a luxúria mas a noite não acabou, nem as lembranças dos teus beijos meu amor.

Só por hoje.

Só por hoje me deixa ser aquilo que nunca fui, não sou e não vou ser, me deixa ninar tua insônia nos acordes das cordas acordadas do meu violão.
Me deixa te ver sorrir dos meus devaneios bandidos e das curvas imperfeitas do meu rosto.
Só por hoje me deixa achar que vai ter volta, que vou poder olhar pra trás e ainda te abraçar, me deixa fingir que não chorei, não choro e talvez um dia vá chorar.
Me deixa fingir que sou bandido e roubei teu coração, só por hoje me deixa ser rídiculo, falar francês e terminar nossa conversa em inglês.
Só por hoje me deixa pensar que vou te encontrar ainda naquela esquina, vou pro bar mais tarde assim que o mês que vem chegar, até lá, ainda me diga que vai estar sempre aí pra mim, falando, sonhando, recordando e esquecendo de tudo que tem que esquecer, quem sabe talvez, as memórias fluam pro teu sangue e eu finalmente faça parte de ti, mas tudo isso só por hoje.

Ainda sou teu.

PORRA! Tem dias que a noite é foda, hoje me peguei lembrando das vezes em que te prometi em casamento, acabou tão rápido que nem sei se foi mágica ou só trapalhada de dois idiotas que se cruzaram por aí pela vida.
Acordei tão cedo hoje, há tempos percebi que você está linda, muito mais que antes! Mas calei. Seus sonhos vibram, sua volúpia é sem tamanho. Ainda lembro do meu cheiro ruim depois de tanto caminhar só pra te encontrar, mas sei que valia a pena, por que deitava no teu colo e tudo era calmaria, mas hoje sou temporal, esqueci como digo "eu te amo", me perdi tentanto tentar te esquecer, mas ainda lembro de todos nossos planos, sei que o tempo passou, mas tô de pé aqui, sei também que não sou quem eu era desde a última vez que te vi, mas sei também que estou mais temperado e mais chato também.
Ontem fiz um show, cantei na praça e ganhei aplausos, aquela saia rodada e florida passou por mim me lembrando do teu ar de "garota de praia". É só um sonho, mais um em meio a tantos, porém, o único que continuo lembrando e não vou perder de vista nunca.
Até lá cresça, invente, reinvente-se, meus ouvidos afinados estarão sempre aqui pra ouvir seus chamados para nossas conversas demoradas noite à dentro e, quando a manhã beirar por detrás daquelas nuvens, você vai entender que a corrente dos sentimentos ainda está firme em mim, apenas foi deixada de canto junto com aqueles sonhos.
Hoje canto desafinado e corrompido, mas basta você me chamar e sei que tudo será como antes, teto de brilho de um instante do céu, clareia a água e me mostra que a vida não é tão ruim como meus olhos contam ao meu coração.

Promessas, sonhos e decepção.

Promessas não são dívidas, sonhos não são vida, você não é meu amor, por que não disse antes e me evitou sangrar?
Teu abraço ainda encaixa no meu? Teus sonhos ainda se perdem nos corredores da UFAM? A noite nunca tem fim, não quando viro em um copo todo esse goró! Minha cama é um caixão, meu caixão será minha cama, manda mais uma dose que eu quero finalizar sem perceber que eu dei o fim.
Não olhe pra trás, não diga mais nada, você sabe que nunca dará em nada, então me deixa seguir sozinho, pois, talvez, este sim seja meu único destino, me perder sozinho no labirinto de mim mesmo.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

HOMEM NÃO CHORA!

HOMEM NÃO CHORA
Composição: Frejat / Alvin L.

Homem não chora
Nem por dor
Nem por amor
E antes que eu me esqueça
Nunca me passou pela cabeça
Lhe pedir perdão
E só porque eu estou aqui
Ajoelhado no chão
Com o coração na mão
Não quer dizer
Que tudo mudou
Que o tempo parou
Que você ganhou

Meu rosto vermelho e molhado
É só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe
Que homem não chora
Esse meu rosto vermelho e molhado
É só dos olhos pra fora
Todo mundo sabe
Que homem não chora

Homem não chora
Nem por ter
Nem por perder
Lágrimas são água
Caem do meu queixo
E secam sem tocar o chão
E só porque você me viu
Cair em contradição
Dormindo em sua mão
Não vai fazer
A chuva passar
O mundo ficar
No mesmo lugar

Meu rosto vermelho e molhado...

"E então permaneci acordado, lembrando dos dedos que você deixou ruindo ao longo de todo esse tempo pela casa, também pensando no recomeço, nessa minha nova paixão escondida sem eira nem beira."

Curtam! Recomendo.

Sem inspiração

Respirar fundo e fungar diante do papel, maldito cordel que me deu tanto sobre o que escrever e não me deixa passar pro papel.
Me perco em devaneios enquanto os sonhos voam do varal, o sol não vi mais, nem me dei conta de quando escureceu no meu mundo, são 2:00 da manhã e 2 milhões de dúvidas na mente, frio descontente me protegendo do calor infernal.
Quando me tornei tão mal em expressar sentimentos? Quando esqueci de dizer que te amo? Que raiva dá da vida, nada existe sem classificar.
Minha vida bandida, escondeu de mim a habilidade de conquistar, essa talvez tenha voado com os sonhos que estendi lá no varal, vento bateu que nem senti, só me dei conta quando os sonhos não estavam mais ali, gritei palavrões, pedi perdões de deuses que nunca ousei admirar, mas não vejo saída, meu discurso no olhar precisa sair em palavras e gestos.
Naquela frase perdida e sem sentindo está tudo que você deve saber, estou agora sem inspiração, escrevendo errado, sem nenhuma preocupação além de transcrever as linhas do meu coração pra essa página eletrônica, quem sabe você leia e entenda que eu não sou um idiota por mal, mas sim por mal saber como dominar o domínio que a timidez exerce sobre mim quando estou perto de ti.
Hoje ouvi tua música preferida, ela é linda, muita linda!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Eu te amo!

Esperar é vencer o tempo que não tem tempo pra amar, mas me inveja por saber que quando estou contigo ele não faz efeito.
Por todo o zelo que tenho por ti, me diga que vem hoje aqui, dá um toque no meu celular, diz que você não vai aguentar passar o dia sem me desejar e me ter bem perto de você. Então, quando chegar, se amarre em meus braços e não saia por nada! Eu estarei aqui esperando você chegar pra contar sobre seu dia, seus problemas, seus medos, seus receios, quero ver você reclamar das minhas reclamações, dizer que eu sou mandão, mas depois de gritar tanto, se aconchegar do meu lado e dizer que me ama.
Eu não vou esperar um minuto a mais pra dizer que EU TE AMO, mesmo não fazendo o tempo engatinhar da forma como eu desejei, eu te amo!
Vem amor, deita do meu lado e deixa a música tocar enquanto as nossas pernas dão um nó e os dois corpos se tornam um só, então deixa eu te contar meu sonho no final e dizer quão mal eu fico quando você se vai.
Quem sabe no fim, quando nenhuma palavra mais encaixar nessa minha vida bandida, eu tenha a sorte de sentar do teu lado bem velho e folhear nosso álbum de recordações durante aquelas tardes malucas.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Despedida de Agosto


Era um novo mês de uma nova vida, com novos planos e uma nova filosofia, arrumou as malas e partiu sem pensar. "É hora de Agosto, vamos recomeçar!", virou de costas para o espelho, deixou pra trás até aquela imagem do menino franzino com cabelo arrepiado e óculos amarelado pelas sentenças do tempo.
Pensou em tudo que vivera, nos dedos que o tocaram, nos amores não correspondidos, nas mágoas reprimidas, nas palavras escondidas em seu coração, deixou pra trás até um amor que escondia de si mesmo, entendeu então que não é triste e nem feliz.
Tanto faz que rumo o vento soprará, cortou o cabelo, aprendeu a fumar, disse que abandonou também a intimidade com as palavras, mas em sua mochila levava papel e caneta para escrever o que significa ser livre. Muito é pouco e tanto faz se é certo ou algo mais, em meio a crise dos paradigmas, decidiu ser seu próprio herói, talvez fosse fácil uma vez que, ele mesmo era seu vilão particular.
Coisas a serem ditas no discurso de um olhar, mas ninguém parava pra entender a vida, era sempre tanta correria, mas ele não! Mochila na costa, lembranças mortas, coração na mão, bolsos vazios e cheio de motivação, não tinha muito pra dizer, mas tinha muitas lições pra passar, era enfim o que sempre desejou, se tornara finalmente, a própria vontade de sonhar.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Oração de um romântico.

Divino Sentimento ímpio e arrebatador.
Rogo-te, assuma-me por completo
Assopre vida em mim, ponha fogo
em meu peito.
Faça do sereno o despertar da minha vida.
Divino sentimento ímpio e arrebatador.
Dê-me até dor, pois só oro para obter o tal do
amor.

domingo, 9 de agosto de 2009

Os três últimos pontos no fim da frase

Silêncio no quarto. Eu e minha solidão dormindo acompanhados da tristeza e do medo. Me lembro que tinha um futuro promissor, não sei quando o perdi, mas sei que deve ter sido melhor assim, já que não me imagino vivendo outra vida e nem comendo outra coisa senão patitas e comida enlatada.
Mas vivo feliz, é! Vivo sorrindo e fazendo piada, dando risada por aí, disfarçando a solidão e o desespero de amar mas não ser amado, de existir mas não ser percebido.
Saudade mesmo dos velhos tempos, onde corria solto e não sabia que solidão existe, morte ao pesadelo, ou até os sonhos mesmo, que me deixam em eterno estado de torpor, sufocando na própria dor enquanto o tempo se esvai nos instantes em que a lua nasce.
Agora estou assim, meio de banda até pra mim, de ovo virado, olhos fechados esperando um simples abraço, seja lá de quem for, qualquer abraço POR FAVOR! Caso contrário, me perderei nos três últimos pontos do fim da frase...

sábado, 8 de agosto de 2009

Chuva


Eu passo no compasso de um malandro, vou caminhando embaixo dessa chuva, cada gota que me toca se espalha pelo linho vagabundo do meu paletó.
No meu headfone, um rife de guitarra explode em sons psicodélicos servindo de trilha sonora para aquela dor e melancolia, em meu peito remorso e alegria disputam acirradamente por cada cm dentro de minha alma.
Então eu paro debaixo do toldo, todo molhado, sinto o vento frio transpassar o paletó, meus sapatos enxarcados me enxem de agonia, me sinto quase afogado, um pouco (ou muito) exagerado, mas acontece que sinto essa sensação.
Meu isqueiro não acende, não diferente são as idéias, sou tão vazio que nem o eco ecoa em mim, mas meu veneno não mata, ele cura, porém comigo mata, deturpa, pois não sou herói, nunca me declarei santo, nem anjo de ninguém, mas também não sou vilão e nem demônio.
Passo minutos a fio pensando em como pensar sob frio e chuva, tenho certeza de que irei gripar, mas mesmo assim sorrio, sorrio devagar no compasso dessa chuva.

Eu confesso

Confesso que eu nunca tive a coragem devida de falar o quanto seus lábios mexeram comigo naquele dia, deixei que meu orgulho me dominasse e enterrasse o que senti por ti naquele dia debaixo de sete longos palmos abaixo da minha memória, pena que ele não sabia que sete palmos abaixo da memória se encontra a alma, então aquele simples beijo inocente e breve, ficou entranhado em mim, no meu ser, no meu existir.
Confesso que eu te vejo todos os dias, teu sorriso é a minha sentença de felicidade, mas você ainda não sabe. Eu nunca tive aquela coragem de dizer que naquela despedida eu senti o teu coração batendo forte, muito forte, ele parecia que ia rasgar seu seio e ia se entrelaçar ao meu coração, eu confesso que tenho sido um idiota evitando sua presença perto da minha, isso me deixa confuso e vulnerável, mas quer saber? Eu vou te confessar! Quero mesmo é que você me veja como eu deveria estar a um certo tempo, quero que veja com seu coração e perceba em mim a mesma felicidade que encontro no teu sorriso, no teu abraço, na tua companhia, no teu afago, você é o sonho mais lindo e mais misterioso que me ocorreu, eu te confesso que tenho escondido debaixo de tanto orgulho e medo o que tenho guardado pra ti, todos os planos, todos os sonhos, tantas palavras a serem ditas, só espero que não seja tarde pra dizer aquilo que tenho tentado te dizer com meus olhos: "EU TE AMO!".

Capuccino


Este é meu presente pra você, ele não é ouro nem prata, não é uma jóia rara, é apenas café expresso com leite, não significa muito pros outros, mas é a receita que embala e tempera todo o sentimento que me leva a escrever pra você.
Assopro e ergo a xícara pela asa em direção às tuas mãos vazias, apenas um mimo pra te fazer feliz e enquanto você sorve cada gole, eu observo ansioso, quase assustado, a forma como você se perde olhando pro vazio à medida que o vapor do capuccino envolve seu olhar. Eu penso ser algo místico, mas não sendo isso, aceito qualquer definição barata pra descrever minha devoção a esse teu olhar que me prende a você.
Então o silêncio prevalece, mas ele é perfeito, nenhuma palavra se profere nos instantes em que você entorna o capuccino, ao fim de tudo, a respiração profunda e os olhos fechados são o seu "muito obrigado" e meu sorriso de canto de boca com os olhos brilhando são o meu "disponha sempre!".
Capuccino para todos nós! ^^

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Revenge!

Eu poderia te desejar toda a felicidade do mundo, mas desejo mesmo é que você se quebre em mil pedaços como eu me quebrei, não vou te dar votos de felicidade, não mesmo! Não quando todas minhas expectativas acerca daquele "nós" foram queimadas e jogadas ao vento, espero mesmo é que você chore como chorei, não sinta fome assim como eu não senti.
Sendo assim, no fim você entenderá que o que eu te dei não foi esse anel de noivado que você carrega no dedo hoje, mas meu coração e minha alma, jóia mais rara do que esse círculo de ouro repugnante que você ostenta com orgulho.

Passar mal! muito mal!

Castanho

Eram dois fárois que brilhavam até mesmo de dia, aqueles dois olhos errantes, sem rumo, inconstantes, os mesmos olhos que me prendiam à seu destino.
No caminho de fogo eles abriam uma saida, eu nunca senti tanta vida como sinto ao fitá-los, mas era um par de olhos tristes, eram sedutores, mas nunca deixavam sua tristeza de lado.
Aquele par de olhos castanhos são iguais a dois oceanos, extensos, profundos, imprevisiveis, navegá-los é uma aventura, mas ainda assim, navegarei com astúcia, a mesma astúcia que tive de chegar aqui e homenagear teus olhos tristes, mas que ofuscam toda e qualquer beleza, pois este teu castanho é o que torna meu desmazelo estúpido o raio de vida que corta os céus e me remete à beleza da tua existência.

Lúxuria inocente

Ainda lembro do abraço tão apertado que quase sufocava de tanta saudade, ainda me perco naquele olhar que me penetrava e arracanva todos os segredos da minha alma.
Ela se vai sempre deixando seus pecados em minha pele e leva minha inocência na palma da suas mãos e eu fico aqui ainda entorpecido, aproveitando os resquicios daquele beijo incandescente.
Seu toque vai além da superficie da pele, ele penetra cada camada da derme, alcança minha alma, eis que o arrepio percorre a espinha, não há nada melhor do que sua vida na minha.
E essas vontades de súbito que terminam com nossas pernas entrelaçadas debaixo dos lençois da cama, e esse olhar selvagem, cheio de volúpia com um pouco de maldade que nos remete ao desejo mais impiedoso e devastador de todo nosso pudor, essa luxúria inocente que nos remete ao pecado, mas que no fim, só nos torna mais e mais apaixonados.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Diz que me ama?

Daria o mundo e mais um pedaço do universo pra ter teu toque em meus cabelos rebeldes e maltratados, cabelos de rockeiro desmazelado.
Sentado na sarjeta olhando a lua alta, que vai cheia iluminando os passos do forasteiro, vejo teu semblante ainda do meu lado, mas é só mais um dejavu, entro com cuidado, meus passos vão calmos, giro a chave pra direito e tranco a porta mesmo esperando você voltar, faço meu capuccino da meia noite e me sento em frente ao computador pra escrever sobre quem não sou.
Meus dedos não conseguem tocar o teclado, nada sai, mesmo calmo, de certa forma sei que estou desesperado esperando você ligar.
Liga e diz que vai voltar, liga e diz que não vai mais esconder o que sente por mim, liga e fala que seus medos não são nada perto do amor que tenho pra te dar, liga pra mim só uma vez e fala que tudo o que você precisa é me amar?

Se


Se o fato de ser normal lhe incomoda, destaque-se, ou contente-se com sua normalidade.

Se a dor de um mero acaso ainda lhe perturba, arranje outro mero acaso para se distrair.

Se o sonho eterno foi tão efêmero quanto um raio, conforme-se com o pouco tempo que durou, talvez ele tenha sido maior (e melhor) do que você pensa.

Se a mania boba de olhar pro céu não é mais útil, significa que você precisa de ajuda.

Se a merda do plano de hoje não deu certo (e por sua culpa), acorde, é perigoso dormir em pé quando se vive no mundo real, você pode cair por si mesmo ou pode ser derrubado se não tiver cuidado.

Ela se foi

Ela se foi, deixou seus passos arrastados pela casa, sua voz ecoando na sala, seu cheiro nos lençois.
Na cama ainda repousam comigo as lembranças daquele corpo estonteante, cheio de contraste e nuance, temperado pela volúpia arrebatadora que andava junto a um sorriso ingênuo e angelical.
Ela se foi, deixou seus lábios nos meus, deixou até a receita do bolo de chocolate que eu tanto amo e se foi levando consigo uma boa parte da minha metade, que hoje, não é mais metade da metade que foi pra ela.
No sofá da sala ainda toco o violino, em lágrimas vejo o espaço vazio de onde ela sentava e cantava me acompanhando, o riso de outrora hoje é pranto, espanto de solidão.
Ela se foi, não deixou rumo, nem carta, nem bilhete, cruel! Deixou apenas as nossas memórias espalhadas pela casa. Não deixou pista nem nada, nada mesmo, não deixou nem motivo pra eu entender seus motivos de abandono, na fumaça do meu cigarro flutuam todos os meus demônios, no copo meio vazio, se afogam as mágoas em black label.
Ela se foi, não sei pra onde, nem de onde veio, ela veio como uma brisa arteira, confortante e vivaz, mas se foi como uma feroz tempestade, deixou apenas suas digitais pra lembrarem que nada é pra sempre.

Ressaca

Piada mesmo é acordar sem tempero, cabelo pra todos os lados, cara de malvado, olhos entreabertos (na verdade estão mais pra entrefechados), olho pra esquerda e pra direita, como qualquer um que atravessa a avenida com medo de ser atropelado.
Ergo-me tentando despertar, mas cambaleante, volto a deitar, o dia vai ficando alto aos poucos, trazendo com ele um calor infernal que expulsa qualquer um da cama.
Pé esquerdo (xiiii!), pé direito em seguida, cada passo vai sendo dado (não sei como), abro a janela e espanto até os pobres pássaros, me assusto com meu hálito, quente e totalmente alcolizado, ainda me sinto deturpado, pudera? Duas garrafas de Tequilla secas são chutadas sem querer, me assusto até com meu reflexo no espelho, uma mistura de perfil do Grinch, com pele do Fred Krueger e o charme irresistivel da Amy Winehouse, é íncrivel o que cabelo arrepiado, mau hálito, olhos castigados por olheiras roxas podem fazer com um pobre coitado.
Mas a noite foi boa, foi boa sim, não sei como poderia ser boa, mas meu "instinto masculino" diz que foi.

Orgulho e ego


Ainda não esqueci do beijo roubado que eu nunca dei em você, mas o teu abraço é real, é sim! O mesmo abraço que encaixa perfeitamente no meu.
Você me chama de bobo e finge que não sente nada, disfarça enquanto diz que é diferente de todas as outras meninas, você me fala que não se vê casando, me diz que não pretende ter filhos, mas no fim da noite é em mim que você pensa e faz planos pro futuro contando com minha presença, eu sei, você não esconde isso tão bem quanto pensa.
É engraçado te ver tão confusa, mesmo sabendo que tudo que você quer é meu abraço, meu beijo e meus lábios dizendo "eu te amo", mas o seu orgulho e seu ego não tem tamanho, não se refletem no espelho, no fim, isso se torna insegurança e desespero, mas mesmo assim, mesmo em meio a tanta confusão, insônia e desespero, é a minha mão que te ampara, são meus braços que te abraçam de modo que você fique protegida de todos os golpes, balas, gritos e qualquer coisa que possa fazer qualquer mal a você.
E eu me dedico dia e noite tentando te fazer entender que eu sou o que você sempre procurou antes de estacionar o seu caderno de poesias infantis e singelas no meio da poeira da estante, mas você continua cega, tão cega que tropeça no próprio ego, mesmo eu crendo que existo pra você, nesse instante me pego ainda pensando em você, em quando o momento certo virá, e se ele realmente virá para nós dois, mas se vir, que seja bem vindo e traga com ele a paciência e a serenidade para vencer as lutas que estão por vir, porque no fim dessa batalha longa, eu sentarei do teu lado na cadeira do cinema e te olharei sorrindo e dizendo: "não dói amar, não dói sofrer por amor, dói não amar, dói não sofrer por amor".
Seja mais paciente consigo mesma, não tropece nas próprias defesas, eu não tenho medo de esperar, tão pouco de pegar o rumo certo caso isto seja apenas uma ilusão que não me deixa dormir, então prossiga com sua reflexão, no fim, se decidir que sim, apenas segure mina mão sem falar nada, eu saberei então que fui aceito e te farei a mulher mais feliz dentro dos meus braços.

WARNING!


Garrafas vazias rolando pelo chão, o ar impregnado com cheiro de álcool paira dentro do quarto, quando estas quatro paredes do meu abrigo se tornaram esse labirinto? Não lembro, não quero lembrar! É cedo, ou tarde até, parece feriado, mas só em meu mundo.
Não! Não insista pra eu lembrar de como essa cena começou, ela é comparavél a uma guerra, uma guerra contra os sentimentos, desespero à parte, vou recobrando os sentidos, mas ainda sinto muita dor, acendo um cigarro, abro os olhos e deixo a luz do sol espancá-los, urro alto ao dar o primeiro passo pra fora da cama, cacos de vidro espalhados pelo chão cortando a sola do meu pé, cinzas de papel no cinzeiro, dor, rancor e desespero me remetem ao meu pior sonho, levo as mãos ao rosto, 10 segundos são o suficiente até eu nortear os sentidos novamente, lamentavel, que situação deploravel, então entendo que a culpa foi do amor, amor bandido, triste e iludido!
O amor eterno de um mês apenas, acabou tão cedo, ou tarde até, apesar da foto rasgada ao meio, algo me remete furtivamente à lembrança do teu beijo, mas quão triste é o desmazelo, o sangue dos pés mancha o carpete velho de segunda categoria com o bom e velho "WELCOME", então piso com cuidado, o mesmo cuidado que não tive a pisar nesse arriscado campo minado que é o amor, me liga e diz onde estou? Me liga e fala que não acabou? Abre a porta do quarto, chora e diz que meu estado é deploravel, me bata até, mas no fim, apenas diga o que eu quero ouvir: "Eu estou aqui, sempre estarei, nossa história não acaba aqui, nem la na frente."

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Maktub


Não existe o mal acometido, mas sim o mal praticado.
Está escrito no tempo, não no destino.
Basta parar e ler, descobrir que não há mais tempo para ter medo de morrer.
Está escrito que não se deve esperar que o dia venha até você, procure seu dia, faça seu dia.
Também está escrito que não há o que temer, o desconhecido nos teme igualmente.
O tempo nos revela pelos fatos que não há certeza além de que só se segue um rumo, um caminho, no fim do jogo peão e rei vão para a mesma caixa.
Está escrito que o presente é uma donzela que dança de acordo com a música que nós escolhemos.
A alegria da vida está em tristezas inúmeras adquiridas durante o nosso longo caminho.
Está escrito também que o futuro não está traçado, é só o próximo passo do presente que dança de acordo com o nosso ritmo imposto.

Despertar...

Nunca fará sentido pra nenhum de nós dois a forma como do nada, algo brota nesse solo infértil da minha alma, eu hoje me vi sentado no sofá escrevendo pra te impressionar, mas nem sei se o faço com a maestria que imagino.
Talvez nem escreva pra te impressionar, mas pra ME impressionar, é! Saber que eu sou capaz de ser elogiado espontaneamente por alguém que me desperta o sentimento de querer viajar milhas de distância só pra dizer "oi, como vai?". Nessas horas não entendo por que ser humano é tão complicado e ao mesmo tempo tão simples, é complexo tentar imaginar como o "querer-te bem" nasce, mas é simples vê-lo brotando e criando raízes nas entranhas da minha alma, de repente, meio que assustado percebo que o vazio vai se preenchendo por uma existência alheia que nem sei ao certo se existe, mas acredito, logo me vejo tomado por isso, então já não sou mais tão durão e palhaço, me vejo parado em pé, distraído olhando pro seu rosto sorrindo, hipnotizado, vagando por lugares que nem eu sei que riscos guardam pra mim, mas continuo, armado somente com a coragem como espada, e meu sentimento por vc como escudo.
Não sou o príncipe dessa história, nem quero sê-lo, apenas quero lutar por algo que acredito, mesmo que tenha que apaziguar os conflitos em mim e vencer as dores que me tomam dia após dia, hoje orei pra um Deus que eu nem acredito existir, apelei pra ser capaz de te abraçar algum dia pela frente e quem sabe assim, te fazer sentir conforto nos meus braços não tão fortes, mas suficientemente dispostos a serem os guias da tua jornada, o conforto para relaxar quando uma batalha acaba. Hoje, só por hoje quero fechar os olhos e me perder no teu olhar, imaginar que você está mais perto do que eu possa imaginar, quem sabe assim o mundo se torne um lugar melhor e minhas esperanças nas coisas boas se renovem? Sejá lá como for, quero que esse sonho que me toma por completo de mansinho e com jeito ingênuo, se torne a razão do meu sorriso algum dia, sendo assim, saberei que te fiz feliz, pois a tua felicidade será a minha.